CBF desesperada. Com Supercopa, Conmebol pode matar Estaduais

Caboclo apelará à Fifa. Não aceita Supercopa dos Campeões da Libertadores, criada pela Conmebol. Sem Estaduais, perde apoio das Federações

Caboclo vai apelar para a Fifa. Supercopa pode 'matar' os Estaduais

Caboclo vai apelar para a Fifa. Supercopa pode 'matar' os Estaduais

CBF

São Paulo, Brasil

O pano de fundo para o confronto entre a CBF e a Conmebol pela criação da Supercopa de Campeões da Libertadores é um só.

Os estaduais.

O presidente da CBF, Rogério Caboclo, ficou irritadíssimo quando o presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, confirmou que entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021, os campeões da Libertadores disputariam as das vagas para o novo Mundial de Clubes, a ser disputado no meio de 2021.

Caboclo já sabia dessa ideia há meses.

E tentou fazer com que Domínguez recuasse.

Só que o dirigente da Conmebol foi firme.

Por dois motivos.

O primeiro é a adesão generalizada dos países que já tiveram campeões da Libertadores e, agora, devido à conjuntura financeira, não podem nem sonhar com conquistas. Como Nacional e Peñarol, por exemplo.

O segundo é o dinheiro que a competição vai trazer. Desde patrocinadores até à transmissão dos confrontos.

Como compensação, Domínguez reservou para Caboclo o Maracanã como palco da final da Libertadores de 2020.

Só que o presidente da CBF promete lutar, usar todos os recursos possíveis. O primeiro deles é apelar para a Fifa.

Ele garante que o calendário brasileiro não suporta mais um torneio. E que prejudicaria as férias, a pré-temporada.

O que ele não falou é que todos os outros nove países que formam a Conmebol não têm campeonato estaduais.

E são os presidentes das Federações Estaduais a base eleitoral de quem ocupe a presidência da CBF. Cada voto de Federação vale três em relação a de um clube.

Caboclo já cobrou Domínguez. 

Só que a CBF está sozinha na briga.

Caboclo precisa dos votos dos presidentes das Federações. Para sobreviver

Caboclo precisa dos votos dos presidentes das Federações. Para sobreviver

CBF

Argentina, Paraguai, Colômbia e Uruguai adoraram a ideia da Supercopa.

Tudo indica que Caboclo terá de se virar.

Os times sul-americanos terão seis vagas no novo Mundial de Clubes, a ser disputado de quatro  em quatro anos.

Serão os dois últimos campeões da Libertadores, de 2019 e 2020. Os dois últimos campeões da Sul-Americana. De 2019 e 2020. E os dois melhores colocados da Supercopa da Libertadores.

A China deverá sediar o primeiro Mundial de Clubes, com 24 equipes, em 2021.

Os presidentes das Federações Estaduais exigem que Caboclo não ceda.

Não diminua ainda mais ou tire os times campeões da Libertadores dos Estaduais.

Ele está encurralado.

A situação é delicadíssima.

Caboclo vai apelar para a Fifa...

Curta a página do R7 Esportes no Facebook. 

Separados no nascimento? Conheça sósias de jogadores famosos