Cosme Rímoli "Cala a boca, negro." Gerson acusa Ramírez de racismo

"Cala a boca, negro." Gerson acusa Ramírez de racismo

Jogador do Flamengo fez denúncia gravíssima. Acusa meia colombiano do Bahia de racismo. Se comprovado, jogador pode pegar dez partidas de suspensão

  • Cosme Rímoli | Do R7

Gerson, revoltado, acusa jogador do Bahia. Colombiano pode ficar dez jogos suspenso

Gerson, revoltado, acusa jogador do Bahia. Colombiano pode ficar dez jogos suspenso

Sergio Moraes/Reuters - 20.12.2020

São Paulo, Brasil

"Quero falar uma coisa: tenho muitos jogos como profissional e nunca vim falar nada porque nunca sofri esse preconceito

"Depois, o Mano até falou 'ah, agora você é vítima. O Daniel Alves te atropelou e você não falou nada'.

"Claro, porque teve respeito.

"Quando tomamos um gol, o Bruno Henrique ia chutar uma bola, o Ramírez reclamou e fui falar com ele. E ele me disse bem assim:

"'Cala a boca, negro'." 

"Eu nunca falei isso, porque nunca sofri (preconceito).

"Mas isso daqui eu não aceito, eu não aceito.

"E o Mano tem de aprender a respeitar.

"Estou falando em nome de todos os negros que existem no Brasil."

 A denúncia de Gerson é gravíssima.

E tem de ser apurada.

Se o colombiano Juan Pablo Ramírez o chamou pejorativamente de 'negro', tem de ser punido de forma exemplar.

Racismo não é aceitável em lugar algum.

Nem no futebol.

Flamengo vai pedir as imagens da transmissão. Quer provar a acusação de Gerson

Flamengo vai pedir as imagens da transmissão. Quer provar a acusação de Gerson

Alexandre Vidal/Flamengo

Há que haver uma busca na transmissão do jogo para tentar identificar se Ramírez, que adota o apelido de 'Índio", foi racista com o meio-campista do Flamengo.

Se foi, o colombiano terá de enfrentar uma punição de cinco a dez partidas.

O Código Brasileiro de Justiça Desportiva é claro.

"Art. 243-G. Praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência:

PENA: suspensão de cinco a dez partidas, se praticada por atleta, mesmo se suplente, treinador, médico ou membro da comissão técnica; e suspensão pelo prazo de cento e vinte a trezentos e sessenta dias, se praticada por qualquer outra pessoa natural submetida a este Código; além de multa, de R$ 100,00 (cem reais) a R$ 100.000,00 (cem mil reais)."

A direção do Flamengo promete dar todo o apoio a Gerson nesta denúncia.

O áudio da transmissão do jogo flagrou Mano Menezes conversando com alguém do banco do Bahia.

"Com o Daniel Alves, que engoliu ele (Gerson), ele não discutiu", confirmando o que Gerson havia relatado.

Rogério Ceni, na coletiva após o jogo, em vez de comemorar a vitória, mostrou sua revolta.

"Conversei com o Gérson, ouvi da parte dele o que o Ramírez falou. É lamentável. O Brasil é um país que recebe e acolhe muito bem as pessoas, o sul-americano no futebol.

"Pelo que o Gérson reletou, ele falar "cala a boca, negro", é pesado demais para alguém que foi bem recebido no mercado de trabalho no Brasil. O racismo não está só nisso. É lamentável o que aconteceu.

"O futebol é entretenimento, o Flamengo tem uma torcida gigantesca, e o respeito vai além. Atacar um ser humano como o Gérson relatou é de um nível muito baixo."

Rogério Ceni ficou revoltado com a denúncia de racismo. "Nível muito baixo"

Rogério Ceni ficou revoltado com a denúncia de racismo. "Nível muito baixo"

Alexandre Vidal/Flamengo

Em relação à acusação de racismo de Ramírez, o Flamengo deverá pedir todas as imagens do jogo à Globo, dona da transmissão da partida.

E promete pedir punição ao colombiano...

(O Flamengo tornou oficial a apuração.

E o apoio a Gerson.

Assim que o jogo acabou, divulgou uma nota oficial.

"O Clube de Regatas do Flamengo repudia veementemente o episódio lamentável ocorrido na partida deste domingo com o atleta Gerson, que foi vítima de injúria racial.

O racismo desumaniza, fere e mata. O racismo é inadmissível.

Exigimos profunda apuração do fato.

#RacismoNão"

Últimas