Bruno rejeitado de novo. O Brasil não esquece assassinato de Eliza

O goleiro rescindiu seu contrato com o minúsculo Poços de Caldas, clube da Terceira Divisão de Minas. Filho com Eliza quer mudar até o nome Bruno

Prefeitura e população de Poços de Caldas rejeitaram a volta de Bruno ao futebol

Prefeitura e população de Poços de Caldas rejeitaram a volta de Bruno ao futebol

Poços de Caldas

São Paulo, Brasil

Em 2010, seus salários eram de R$ 150 mil mensais.

Seu compromisso era de quatro anos com o Flamengo.

Tinha contrato individual com a fabricante de material esportivo Olimpikus, do grupo Vulcabrás.

Veja mais: Fracasso financeiro. A sociedade despreza a volta de Bruno

Luvas e camisas eram personalizadas, feitas com seu nome, e rendiam mais R$ 50 mil mensais.

Milan e Zenit duelavam pela sua contratação. 

Mas ele havia decidido ir para a Itália, substituir Dida. 

Havia até um pré-contrato apalavrado.

O salário: R$ 500 mil mensais.

Goleiro campeão brasileiro de 2009, seria testado pela Seleção Brasileira, depois do fracasso na Copa do Mundo de 2010.

Sua carreira e a vida estavam encaminhados.

E cercadas por muito dinheiro, mordomia, respeito como atleta.

Até que o Brasil soube do assassinato de Eliza Samudio, mãe de seu filho.

Bruno assumiu a autoria intelectual da morte e do desaparecimento do corpo.

Provas e depoimentos de outros envolvidos garantiram a condenação de 22 anos e três meses de prisão, em 2013.

Veja mais: Com a bênção de Fábio Carille, Corinthians negocia com Cirino

Quatro anos depois, seus advogados conseguiram uma liminar para que pudesse a voltar a jogar futebol. Fez cinco partidas pelo Boa Esporte, em Ituiutaba. A repercussão negativa foi imensa, internacional. 

A liminar foi cassada e ele voltou para a cadeia.

Os advogados insistiram e Bruno conseguiu o regime semiaberto. 

Mas ele tem a obrigação de trabalhar.

A dois meses de completar 35 anos, longe da rotina rígida do futebol profissional há nove anos, e marcado pelo estigma de assassino, os clubes grandes o rejeitam.

O pequeno Boa Esporte perdeu todos seus patrocinador por haver contratado Bruno e em 2017.

Veja mais: Sem seu escudo, Neymar, Tite sente a pressão por Jorge Jesus

Em 2019, o goleiro anunciou que voltaria ao futebol pelo minúsculo Poços de Caldas. Clube da Terceira Divisão mineira.

Embora cumpra pena em Varginha, seus advogados anunciaram que a justiça o liberou para jogar em Poços de Caldas, cidade distante 160 quilômetros. 

O treinamento seria feito em Varginha e os jogos em Poços de Caldas.

A apresentação de Bruno já foi tensa. Ele sentiu as cobranças pelo assassinato

A apresentação de Bruno já foi tensa. Ele sentiu as cobranças pelo assassinato

Poços de Caldas

Só que o Poços de Caldas é um clube quase amador. Estava desativado desde 2018, quando o empresário Paulo César da Silva assumiu a equipe. A assessoria de imprensa garante que ele gastou R$ 380 mil em dívidas e jogadores. Na cidade há a desconfiança que a quantia foi supervalorizada.

"Fui catador de batatas, fui boia-fria e resolvi vir para Poços de Caldas onde comecei a vender bonés, óculos, carteiras, cintos pelas ruas da cidade.

"Comecei a fazer meus negócios, Deus começou a me abençoar e conheci pessoas certas na hora certa. Não sou rico, mas tenho um bom padrão de vida. Sei administrar e é assim que vou administrar o Vulcão. Será uma empresa de sucesso", disse o empresário ao jornal Mantiqueira, de Poços de Caldas.

Veja mais: Fla terá de oferecer R$ 100 milhões por Gabigol. Ele? Está dividido

O plano de Paulo César era simples. 

Contratar Bruno, chamar a atenção da imprensa nacional, para depois vendê-lo a um clube grande.  Com a divulgação de Poços de Caldas, usar a opinião pública para ter o apoio financeiro da prefeitura da cidade. Com a assumida ameaça de levar o clube para outro município.

Só que tudo deu errado.

Filho de Bruno com Eliza está com medo do pai. E quer trocar até de nome

Filho de Bruno com Eliza está com medo do pai. E quer trocar até de nome

Reprodução/Twitter

Paulo César Silva não levou em consideração a profunda rejeição da sociedade a Bruno. O assassinato de Eliza Samúdio ainda tem um peso enorme.

O dinheiro não chegou de lugar algum.

Nem de patrocinadores e muito menos da prefeitura de Poços de Caldas ou de qualquer cidade vizinha.

O depósito de R$ 60 mil para que o clube disputasse a Segunda Divisão do Campeonato Mineiro de 2020 não foi depositado.

Assim como o salário de R$ 10 mil de Bruno.

Veja mais: "Vim para o Flamengo ter a hegemonia no futebol do Brasil"

Nem o material esportivo, luvas, chuteiras, uniforme de goleiro chegaram em Varginha.

Bruno participou de um amistoso contra o Independente Juruaia, no estádio Bandolão, em Poços de Caldas, foi um fracasso. Apenas 200 pessoas aceitaram pagar R$ 10,00 para ver o jogo. A renda foi de R$ 2 mil.

Ele atuou por 45 minutos e teve uma contusão muscular, provavelmente pelo longo período de inatividade.

E se recusou a atuar no sábado de outro amistoso, contra a amadora Ponte Preta de Poços de Caldas.

O jogador acionou seus advogados e seu contrato, que valeria até janeiro de 2020, foi rescindido.

Veja mais: Multa milionária de Carille torna péssimo clima no Corinthians

Bruno está desempregado.

Nas redes sociais, a notícia foi comemorada.

A rejeição à volta da carreira de Bruno segue imensa.

Ele ainda está cumprindo a pena pelo assassinato e ocultação de cadáver.

A família de Eliza Samudio sequer teve o direito de enterrá-la.

Bruno campeão brasileiro de 2009. Seleção, Milan... Jogou tudo fora

Bruno campeão brasileiro de 2009. Seleção, Milan... Jogou tudo fora

CBF

O filho que nasceu do relacionamento entre os dois se chama Bruno.

Tem nove anos.

E ficou chocado, com medo, ao saber que o goleiro deixou a cadeia.

Ele foi batizado como Bruno Souza Samúdio.

Mas renega o 'Souza' do pai.

E quer mudar o nome para Gabriel.

Veja mais: Nem entre 30 melhores do mundo. E Neymar ainda ostenta uma Ferrari

Não quer a menor ligação com o pai.

Bruno o rejeitou desde o nascimento.

A briga entre ele e Eliza pela pensão foi o motivo do assassinato.

A rescisão de contrato com o Poços de Caldas é irreversível, de acordo com advogados do jogador.

Bruno está desempregado.

Buscando clube para jogar.

Se não trabalhar, a pode voltar ao regime fechado.

Mas poderá ser em outra profissão.

Pedreiro, eletricista, torneiro mecânico.

A sociedade brasileira ainda segue firme.

Rejeita a volta de um assassino ao futebol...

Curta a página do R7 Esportes no Facebook

Estudo mostra os clubes mais endividados do futebol brasileiro