Cosme Rímoli "Atletas dominam. É uma bagunça." Adilson expõe o caótico Cruzeiro

"Atletas dominam. É uma bagunça." Adilson expõe o caótico Cruzeiro

Clube perdeu tempo mantendo técnico. Depois de vexames, rebaixamento, finalmente, foi demitido hoje. E implodiu ambiente. Expôs a verdade na Toca da Raposa

  • Cosme Rímoli | Do R7

Cruzeiro perdeu tempo com Adilson. Ele saiu. Mas implodiu o ambiente

Cruzeiro perdeu tempo com Adilson. Ele saiu. Mas implodiu o ambiente

Reprodução/Twitter

São Paulo, Brasil

"O clube está uma bagunça dentro dos vestiários, uma desordem.

"Os atletas tomaram conta do clube, derrubaram o Mano, meu amigo, Abel, Rogério Ceni, tomaram conta do clube.

"Então, você chega e tem que limpar.

"Dei treino, durante alguns dias, com jogadores que eu não teria, até resolver esta situação, porque não tínhamos comando."

"Rezo pra que o clube tenha logo um presidente. Tá precisando urgentemente.

"Hoje tem oito gestores.

"E os oito querem tomar conta do futebol."

O Cruzeiro está outra vez passando vergonha.

Porque a diretoria quis.

Sem nenhuma explicação plausível, a não ser a amizade de Adilson Batista, com alguns gestores do clube, bicampeão da Libertadores, manteve o treinador, depois do rebaixamento da Série B, do péssimo trabalho na reformulação no elenco.

Vieram os empates na Copa do Brasil, contra o São Raimundo e Boa Esporte, de Varginha. E a derrota diante do humilde CRB, em pleno Mineirão.

Adilson Batista provava seu péssimo trabalho.

Não havia dúvida que ele deveria sair.

Foi salvo na quinta-feira.

E veio hoje o jogo contra o ainda mais humilde Coimbra.

No estádio Independência.

Outra vez, o time sem padrão tático algum, perdido em campo.

E nova  derrota.

Por 1 a 0.

Resultado que pode tirar o time sequer das semifinais do Mineiro.

Nos últimos nove jogos, só uma vitória.

Inacreditável a inércia e incompetência do Conselho Gestor que administra o clube. Conseguiu ser pior do que Adilson Batista, um treinador que vive a pior fase de sua carreira.

Foi demitido do Ceará, que caminhava para o rebaixamento.

Chegou com a obrigação de vencer os últimos três jogos no Brasileiro de 2019.

Perdeu todos as partidas.

Caiu com o time para a Série B.

Foi o sétimo rebaixamento de sua carreira.

Derradeiro vexame de Adilson. Contra o humilde Coimbra, de Nova Lima

Derradeiro vexame de Adilson. Contra o humilde Coimbra, de Nova Lima

Henrique Chendes/Coimbra Sports

Mesmo assim foi mantido.

Era óbvia perda de tempo.

Até que se concretizou a demissão hoje.

"Fui demitido pelo Carlos (Ferreira, gestor do futebol do Cruzeiro). Estarei na torcida, deixo claro que estou chateado pelos resultados recentes, que também temos culpa. Mas a gente precisa entender o processo.

"Tive a coragem de pedir pra que determinados jogadores saíssem, enfrentei.

"E saí."

Além do técnico, também foi demitido o diretor Ocimar Bolicenho.

Ele foi anunciado no dia 6 de janeiro.

Ficou dois meses e nove dias no cargo...

Vale lembrar que as dívidas do Cruzeiro passam dos R$ 800 milhões.

Além de não conseguir montar uma equipe sequer competitiva, Adilson ainda presta deixa um terrível legado.

Joga atletas contra a diretoria, contra a torcida.

Sabota o item necessário, obrigatório para a volta de um gigante rebaixado para a Série A do Brasileiro.

União.

Merece pêsames quem manteve Adilson em 2020...

Últimas