Cosme Rímoli  Andrés terá de pagar caro para ter Carille de volta. Árabes irritados

 Andrés terá de pagar caro para ter Carille de volta. Árabes irritados

Al Wehda não aceita a liberação do treinador. E nem quer saber de jogadores fracos como compensação. Exige total da multa

Carille, Corinthians, Al Wehda,

Carille não pode resolver a situação sozinho. Árabes querem multa integral

Carille não pode resolver a situação sozinho. Árabes querem multa integral

Reprodução/Instagram

São Paulo, Brasil

Aliados de Andrés Sanchez tinham a certeza.

Logo após a partida contra o Grêmio, no domingo, seria feito o anúncio oficial.

A volta de Fábio Carille ao clube.

Só que a situação não é tão simples.

Os dirigentes árabes do Al Wehda também têm objetivo.

Não ofereceu dois anos de contrato ao treinador e se sujeitou a pagar cerca de R$ 1,1 milhão a cada 30 dias à toa.

Há um projeto de conquistas.

A equipe é quarta colocada no Campeonato Árabe.

Havia a esperança de uma profunda modernização do futebol do clube. Por isso, aceitou que Carille levasse grande parte da Comissão Técnica campeã brasileira de 2017 e bicampeã paulista, em 2017 e 2018.

Carille aceitou ir para a Arábia Saudita em maio. Antes de fechar, ele procurou Andrés Sanchez. Como fez quando foi assediado pelo Atlético Mineiro e Flamengo. O presidente corintiano ao saber que o treinador ganharia cerca de quatro vezes o que recebia no Corinthians, R$ 300 mil, apenas desejou boa sorte. Disse que não teria como competir.

Andrés acreditava que Osmar Loss poderia repetir tranquilamente o trabalho de Carille. O presidente corintiano tem, por convicção, apostar muito mais nos jogadores do que nos treinadores.

Diante do desmanche que o dirigente promoveu, o trabalho do inexperiente Loss foi um desastre. Nem a vivência de Jair Ventura no Botafogo, clube que vive cercado de dificuldades financeiras, foi suficiente. Seu trabalho está sendo fraquíssimo.

Daí a busca por Paulo Pitombeira, agente de Carille.

Conversaram em Londres e o dirigente pediu arrego.

Veja mais: 'Coisa de louco' na estreia, conselhos e tietagem: o início de Bilu no Timão

Quer o técnico de volta.

Pitombeira disse que ira fazer o máximo.

Iria conversar com Carille e que faria uma reunião no Brasil.

O encontro aconteceu na noite de ontem.

E o resultado não foi o que Andrés esperava.

Os árabes querem receber o que está no contrato.

A multa que o próprio Pitombeira tanto exigiu, caso Carille fosse demitido: 750 mil dólares. Ou seja, cerca de R$ 2,9 milhões.

Andrés promoveu o desmanche no campeão brasileiro de 2017 por conta da brutal dívida com o Itaquerão. O estádio custará mais de R$ 2 bilhões e o clube está tendo imensa dificuldade em cumprir o pagamento mensal. Não consegue vender os naming rights há sete anos. Não tem sequer patrocínio master desde que dispensou R$ 25 milhões oferecidos pela Caixa. São 19 meses, já.

O dirigente acreditou que bastaria falar que queria a volta de Carille e ele voltaria sorrindo. Só que não levou em consideração os árabes. E nem o treinador.

Ele está irritado pela falta de estrutura do Al Wehda.

Mas daí para o rompimento não é fácil.

Veja mais: Ex-técnico Nicanor de Carvalho morre, aos 71 anos, em Campinas

Os árabes estão satisfeitos com o trabalho.

Querem o dinheiro, total.

Andrés não quer pagar.

O diretor de futebol, Duílio Monteiro Alves, lembrou a possibilidade de repassar alguns jogadores que o Corinthians não vai utilizar. São mais de 20.

Só que os árabes não são idiotizados.

Eles querem ser campeões árabes.

Não aceitam jogadores fracos tecnicamente.

A pressão no Parque São Jorge é imensa.

Jair Ventura está completamente desmoralizado.

Se sente fora do Corinthians.

Queimado e sem proteção dos dirigentes.

E sem condições de prosseguir no clube.

Veja mais: Ex-Corinthians, Osmar Loss é anunciado novo técnico do Guarani

Agora, Andrés tem de pagar aos árabes para ter Carille.

Além de, no mínimo, dobrar o que pagava ao treinador.

Ainda depende do treinador corintiano.

Neste domingo, o Al Wehda tem um jogo importantíssimo com o Al Nsser, segundo colocado do Campeonato Árabe. Uma vitória poderá ainda deixar mais difícil a situação que Andrés esperava ver resolvida antes da partida contra o Grêmio.

Ele terá de fazer o que não deseja.

Gastar dinheiro com um técnico que desprezou.

Que estava trabalhando feliz e vencedor.

No Parque São Jorge.

E não foi valorizado.

Justamente por quem agora o procura.

De maneira realista, se tudo der certo, Andrés fará o Corinthians perder mais dinheiro.

Se der errado, será muito pior...

Curta a página R7 Esportes no Facebook

Danilo e Emerson Sheik se despedem com festa no Itaquerão