Cosme Rímoli Abel Ferreira ensina a Cuca. O que deveria ter feito para vencer o Palmeiras. Aproveitar que o Atlético tinha dois a mais

Abel Ferreira ensina a Cuca. O que deveria ter feito para vencer o Palmeiras. Aproveitar que o Atlético tinha dois a mais

O treinador do Palmeiras ficou incomodado pelo atleticano destacar que seu time só se defendeu. O português mostrou o que Cuca deveria ter feito para vencer. E não fez

  • Cosme Rímoli | Do R7

Abel Ferreira ensinou taticamente como Cuca teria de fazer para ganhar o jogo. Ironia fina

Abel Ferreira ensinou taticamente como Cuca teria de fazer para ganhar o jogo. Ironia fina

Cesar Greco/Palmeiras

São Paulo, Brasil

Abel Ferreira e Cuca já têm um histórico de rivalidade.

Os dois comandavam Palmeiras e Santos, na final da Libertadores de 2020.

Se encontraram de novo na semifinal da Libertadores de 2021, Cuca já era o treinador do Atlético Mineiro.

E ontem, finalizaram a disputa das quartas de final da Libertadores.

Outra vez, o treinador português levou a melhor.

Desta vez, com dois jogadores a menos, Danilo e Gustavo Scarpa expulsos.

Cuca tentou desmerecer a vitória palmeirense nos pênaltis.

E tomou uma invertida tática.

Abel Ferreira decidiu dar uma lição ao atleticano, como se vence um time com dois jogadores a menos.

Primeiro, Cuca falou.

"Nós fizemos uma análise do jogo. Até 11 contra 11 era um jogo mais aberto. Um jogo em que a gente tinha um espaço no campo maior para jogar, tínhamos até mais controle do jogo no 11 contra 11. Quando o Danilo foi expulso, o Palmeiras fez as duas linhas de quatro, defendeu da metade do meio-campo para trás e colocou o Dudu de meia. Abrindo de um lado o Rony, do outro o Scarpa, com Veiga e Zé Rafael de volantes. Afunilou, e o que tínhamos de homem a mais eram os dois zagueiros: Alonso e Nathan, para ter um início de jogada.

"Abrimos bem os pontas, Ademir e Keno, para ter o Jair, o Nacho e o Zaracho como meias, chegando à frente. Contenção do Nathan e liberdade para os laterais. Mas como eles estavam muito afunilados atrás, ficava até perigoso o contra-ataque, porque eles têm jogadores com esse perfil.

"O adversário fechou muito. Dois a mais não tem jogo, né? Amarra, não tem, some as bolas, tem dois minutos de jogo com dois a mais. Não se leva muito isso em consideração. Contra o Atlético, o Palmeiras sempre marcar atrás."

A resposta de Abel foi irônica, didática.

Explicando o que Cuca deveria fazer para vencer com onze atletas contra nove.

E não fez.

"O Cuca é um treinador experiente, tem vários títulos no currículo. Quando ele assistir a esse jogo, vai entender que tinha muitos jogadores por fora do nosso bloco, e você tem que colocar gente por dentro para atacar a nossa linha.

"Ele tinha os pontas por fora, os dois laterais abertos, os zagueiros por trás, mas poucos jogadores por dentro do nosos bloco. Isso, para nós, foi mais fácil de controlar.

"Claro que, com menos um (jogador), fechamos, mas ainda conseguimos atacar. Ele reconhece que a equipe dele esse ano é melhor do que a do ano passado. Não fui eu que disse, foi ele! E, quando ele assistir a esse jogo, vai ver que nossa equipe foi muito competente ao fazer o adversário jogar por fora.

"Sofri mais no jogo contra o River (semifinal de 2020) do que hoje."

Depois da resposta a Cuca, Abel destacou a vitória impressionante, a superação, com dois jogadores a menos.

"Esta equipe acredita sempre. Vem das mães e pais deles, é fruto dos pais e mães destes jogadores, que devem estar orgulhosos do que eles fazem. A crença e espírito de união tem muito a ver com eles. Minha cota é de 30%, já disse várias vezes. O resto são eles. Não corri, não me desgastei, estava quietinho, eles lutaram até o fim, foram ao fundo do espírito e capacidades coletivas.

"E no fim, os pênaltis são competência e não conheço uma equipe que perde sempre e outra que ganhe sempre. Um dia iríamos ganhar. Hoje eu disse antes: vai ter que ser hoje, por todo o contexto. Menos um, menos dois.

"Tinha de ser hoje", comemorava o fim da 'maldição' nas decisões por cobranças de pênalti.

O Palmeiras enfrentará na semifinal o vencedor de Athletico e San Lorenzo.

E na primeira partida, no estádio do adversário, não terá Danilo e Gustavo Scarpa suspensos.

Ao Atlético Mineiro só resta o Brasileiro...

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas