Cosme Rímoli A divulgação do áudio deixou mais vergonhoso o pênalti não marcado

A divulgação do áudio deixou mais vergonhoso o pênalti não marcado

A Conmebol, pressionada pela opinião pública, divulgou o áudio do VAR. A conversa que decidiu a não marcação do pênalti em Marinho, na Bombonera, contra o Boca. Absurda

  • Cosme Rímoli | Do R7

A penalidade não marcada provocou comoção na América do Sul. Boca é forte na Conmebol

A penalidade não marcada provocou comoção na América do Sul. Boca é forte na Conmebol

Reprodução/Fox Sports

São Paulo, Brasil

Foi tão indecente o pênalti não marcado para o Santos, ontem contra o Boca Juniors, que a Conmebol decidiu divulgar o áudio.

A conversa entre o árbitro Roberto Tobar e os juízes que trabalhavam no VAR.

O lance foi claríssimo, aos 28 minutos do segundo tempo.

O zagueiro Izquierdoz toca com sua perna direita o joelho esquerdo de Marinho.

Penalidade evidente.

Mas este é o estranho diálogo entre Tobar e os assistentes do VAR.

 Árbitro: limpo, nada.

Eduardo Gamboa (AVAR): (Marinho) se deixa cair.

Juan Gabriel Benitez (VAR): tem um contato.

Eduardo Gamboa (AVAR): espera, Roberto.

Juan Gabriel Benitez (VAR): quero ver em velocidade normal.

A partir daí, os árbitros de vídeo procuram uma câmera com ângulo melhor para avaliar o lance, e continuam a discussão:

Juan Gabriel Benitez (VAR): ok, ele põe a perna, vendo de trás. Não recomece o jogo. Eu quero ver na velocidade normal.

Eduardo Gamboa (AVAR): nada. Choque de jogo.

Juan Gabriel Benitez (VAR): segue, Roberto, segue...

De maneira muito estranha, o juiz não foi sequer aconselhado a olhar a jogada no vídeo.

Se olhasse, teria vergonha de sua decisão.

A cúpula da Conmebol está sendo criticada por toda América do Sul.

Mesmo na Argentina.

E os comentários vão pelo mesmo caminho.

A histórica força do Boca Juniors nos bastidores da entidade.

Com o Palmeiras, por exemplo, em 2001, houve um pênalti claríssimo no volante Fernando, cometido pelo goleiro Córdoba. Ubaldo Aquino nada marcou. O jogo valia pela semifinal da Libertadores, terminou empatado. Em São Paulo, novo empate. E nos pênaltis, o Boca se classificou.

O Santos mandou um ofício à Conmebol reclamando da arbitragem.

Mas não terá efeito algum.

A verdade é que o clube poderia ter vencido ontem.

Empatou.

E não teve um pênalti claríssimo marcado a seu favor.

Está mais do que na hora de a CBF se posicionar.

Porque se fosse ao contrário, a AFA agiria.

É lastimável o que acontece na Libertadores.

Mesmo com o VAR.

A desconfiança permanece.

Pior para o desacreditado futebol sul-americano...

Filha de Nelson Piquet passa férias ao lado de Verstappen no Maranhão

Últimas