Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Silvio Lancellotti Copa 2018
Publicidade

Dia 7 : CR7 artilheiro, o Uruguai nas oitavas, e nenhum 0 X 0 na Copa

O craque ainda é 100% Portugal, que se livrou do Marrocos, enquanto a "Celeste" de Tabarez batia os sauditas e a Espanha, no sufoco, superava o Irã

Silvio Lancellotti|Do R7 e Sílvio Lancellotti

Gol do CR7, agora o artilheiro solitário
Gol do CR7, agora o artilheiro solitário Gol do CR7, agora o artilheiro solitário

Desde que a Copa começou a ostentar 32 seleções, houve uma edição, na França/98, em que uma equipe, no caso a do Chile, se qualificou à fase das oitavas com minguados 3 empates, ou meros 3 pontos positivos. Então, nas outras quatro edições, Coréia-Japão, Alemanha, África do Sul e Brasil, 14 ainda continuaram na competição ao obterem 4 pontos. Na terça, 19 de Junho, no Grupo A, ao vencer o Egito por 3 X 1, a Rússia anfitriã subiu ao patamar dos 6, com um saldo de 7 tentos. Pode-se dizer que se tornaram quase infinitas as suas chances de permanecer na luta pelo título em seus domínios.

Óscar Tabarez: a celebração e a muleta indefectível
Óscar Tabarez: a celebração e a muleta indefectível Óscar Tabarez: a celebração e a muleta indefectível

Daí, nos três jogos desta quarta, 20, outras duas seleções disporiam, caso vencessem, de possibilidades imensas de classificação. No mesmo grupo A, o Uruguai, que havia superado o Egito por 1 X 0, pegou a Arábia Saudita, já detonada pela Rússia, 5 X 0. Jogo fácil? Não, a “Celeste” não realizou uma exibição minimamente meritória. De todo modo, no seu centésimo cotejo internacional, Luís Suarez, de voleio, anotou o seu gol de número 52 com a camisa do Uruguai. Além de amealhar os 3 pontos e de garantir uma vaga nas oitavas, o time de Óscar Tabarez podou as esperanças derradeiras das “Águias Verdes” . Aliás, Arábia Saudita e Marrocos, os dois muçulmanos do Grupo 1, antecipadamente já se despediram desta edição da Copa, e da Rússia.

Irã x Espanha: enfim, liberdade à torcedora muçulmana
Irã x Espanha: enfim, liberdade à torcedora muçulmana Irã x Espanha: enfim, liberdade à torcedora muçulmana

Daí, no Grupo B o Irã, que já havia batido o Marrocos, enfrentou a Espanha, que havia empatado com Portugal. Logicamente inferior, o “Team Melli”, ou “Nosso Time”, dirigido pelo lusitano Carlos Queiroz, se retrancou na conveniência de um empate e se limitou à eventualidade do contra-ataque.

Quanto à “Fúria” de Fernando Hierro, desta vez de branco, sem alternativa, na paciência e nos toques de bola, repetiu e re-repetiu, ao limiar da exaustão, as viradas de flanco, à espera de uma brecha na muralha desta vez toda vermelha do Irã, dez homens acumulados à frente da área do excelente, acrobático arqueiro Ali Beiranvand. Só aos 54’ a couraça se romperia.

Publicidade
Alívio, 1 X 0, a Espanha agradece
Alívio, 1 X 0, a Espanha agradece Alívio, 1 X 0, a Espanha agradece

E ocorreu num acidente. Entre dois inimigos Diego Costa chutou, um tanto sem destino. Logo à sua frente, Ramin escorou. Traiçoeira, a pelota encontrou o joelho destro do brasileiro-ibérico e rumou na direção da meta do “Team Melli”. Que não desistiu, todavia. Logo em seguida, o Irã avançou em massa e, numa confusão na área de De Gea o grandalhão Mehdi Tarami igualou, oportunista. Atento, o uruguaio Maurício Espinosa, auxiliar do árbitro Andrés Cunha, levantou a sua bandeirinha. Na dúvida, de novo a consulta ao VAR.

Que confirmou a anulação. Bem infeliz o elenco de Queiroz, que merecia o empate e que, depois, se esbaldou em colecionar tentos malbaratados. Porque a Espanha e Portugal ainda não se provaram confiáveis, se tornou insondável o futuro do Grupo B. Dia 25, Irã (3 pontos) X Portugal (4), Espanha (4) X Marrocos (0). Até aqui, Espanha e Portugal com o mesmo saldo, 1 gol.

Publicidade
O CR7 e a comemoração do 1 X 0
O CR7 e a comemoração do 1 X 0 O CR7 e a comemoração do 1 X 0

Curiosamente, o prélio mais equilibrado, nas estatísticas e na teoria, Portugal X Marrocos, foi o que se iniciou mais cedo e o único, digamos, de algum significado enciclopédico, porque foi o único a reprisar um confronto do passado. Na Copa de 86, no México, os “Leões do Atlas” tinham derrotado o time das “Cinco Quinas” por 3 X 1. Posteriormente, Portugal duelou três outras vezes com representantes da África: a sua afilhada Angola em 2006 (1 X 0), a Costa do Marfim em 2010 (0 X 0), e Gana em 2014 (2 X 0). Aconteceria a vingança ou o Marrocos reprisaria a façanha de 32 anos antes? Bem que o Marrocos tentou. Mas, desperdiçou ao menos quatro oportunidades de gol e, enfim, sucumbiu a mais uma testada portentosa de Cristiano Ronaldo, agora o artilheiro solitário da competição com quatro tentos.

PS: Você sabia que, até aqui, em vinte prélios da Copa, não houve um só 0 X 0?

Gostou? Clique em “Compartilhar”, em “Tweetar”, ou registre a sua opinião em “Comentários”. Muito obrigado. E um grande abraço!

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.