Olimpíadas COI autoriza russos e bielorrussos nas Olimpíadas de Paris sob bandeira neutra

COI autoriza russos e bielorrussos nas Olimpíadas de Paris sob bandeira neutra

Atletas também não podem apoiar a guerra na Ucrânia ou ter contrato com o exército ou com agências de segurança nacional

AFP
Comitê Olímpico Internacional reintegra atletas russos e bielorrussos

Comitê Olímpico Internacional reintegra atletas russos e bielorrussos

Denis Balibouse/Reuters - 08.12.2023

Terminando nove meses de suspense, o Comitê Olímpico Internacional autorizou, nesta sexta-feira (8), atletas russos e bielorrussos a participarem sob bandeira neutra nos Jogos Olímpicos de 2024, em Paris, e sob condições estritas, com uma delegação reduzida.

Apenas serão contemplados os "atletas individuais neutros" que conseguiram passar as fases de qualificação, que não apoiaram ativamente a guerra na Ucrânia e que não têm contrato com o exército ou com agências de segurança nacional.

Clique aqui e receba as notícias do R7 Esportes no seu Whatsapp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

Onze atletas atendem atualmente a esses critérios, oito russos e três bielorrussos, dos cerca de sessenta atletas ucranianos já qualificados para os Jogos Olímpicos de Paris (26 de julho a 11 de agosto de 2024), informou o COI em comunicado.

A questão é crucial porque o receio de ver uma delegação ucraniana ausente ou muito pequena em Paris tem sido motivo de preocupação para o organismo olímpico e teria tornado, do ponto de vista político, ainda mais delicada a presença de atletas russos, mesmo sem hino ou bandeira.

Depois de ter excluído russos e bielorrussos do desporto mundial no final de fevereiro de 2022, após a invasão russa da Ucrânia, o COI pensou duas vezes em organizar o seu regresso, explicando em diversas ocasiões que os atletas não deveriam "pagar" pelos atos do seu governo.

Giro ucraniano

Em março passado, o organismo olímpico recomendou que as federações internacionais restabelecessem os russos e bielorrussos sob uma bandeira neutra nas suas competições, transferindo a sua decisão sobre os Jogos Olímpicos de Paris de 2024 e os Jogos de Inverno para "um momento apropriado".

O órgão olímpico demorou a avaliar o desenvolvimento das competições e levou em consideração a evolução da posição do governo ucraniano, que inicialmente exigia que seus atletas boicotassem qualquer evento envolvendo russos, antes de suavizar sua posição no verão passado.

Na quinta-feira, o ministro ucraniano dos Desportos em exercício, Marviy Bidnyi, explicou à reportagem que não quer a presença de russos e bielorrussos nos Jogos de Paris, considerando a sua bandeira neutra "manchada de sangue" e temendo que o desporto sirva como "propósito de propaganda militar".

Mas não levantou a ameaça de boicote, enquanto vários atletas ucranianos manifestaram o desejo de enfrentar e vencer os russos nas competições desportivas.

Embora as federações internacionais tenham seguido essa recomendação de forma dispersa, uma vez que o atletismo em particular continua a rejeitar a integração dos russos, a 12ª cimeira olímpica, organizada na terça-feira, em Lausanne, começou com um sinal claro para o mundo do desporto.

Sanções mantidas

Os representantes das federações internacionais, dos 206 comitês olímpicos nacionais e dos atletas, exigiram uma decisão "rápida" para permitir a presença em Paris do pequeno número de atletas russos e bielorrussos que passaram as fases de qualificação.

Em um equilíbrio entre ter em conta o conflito ucraniano e a autonomia política do desporto, o COI acabou por reintegrar os atletas dos dois países, mas mantendo as sanções contra os seus governos.

Desde fevereiro de 2022, o organismo proíbe qualquer evento internacional em solo russo ou bielorrusso, qualquer presença dos seus hinos, bandeiras e dirigentes durante as competições e nenhum representante dos dois Estados será "convidado ou credenciado para os Jogos Olímpicos de Paris 2024". 

Em 12 de outubro, o COI suspendeu o Comitê Olímpico Russo, privado de financiamento olímpico, por ter colocado sob a sua autoridade cinco organizações desportivas de regiões ocupadas da Ucrânia.

Por fim, recorda o organismo olímpico, "pelo menos 3.000 atletas ucranianos e outros membros da comunidade olímpica ucraniana" beneficiaram de fundos de solidariedade do COI para poderem treinar nos últimos doze meses.

A partir de hoje, espera-se que a delegação ucraniana tenha mais ou menos o mesmo tamanho que nos Jogos de Tóquio 2020", especificou o organismo.

Daqui a um ano começam as Olimpíadas; veja sete coisas que só acontecerão em Paris 2024

Últimas