Reforma de São Januário avança e redução das dívidas travam. Entenda

Projeto para a reformulação do estádio do Vasco tem expectativas mais otimistas do que o que se vêm em relação à amortização das dívidas do clube, difícil por conta das penhoras

Lance

Lance

Lance

Enquanto luta para se afastar da zona de rebaixamento, o Vasco também olha para o futuro. Dois projetos em curso vivem estágios diferentes para a execução: a reforma de São Januário e a restruturação das dívidas. Destes, o primeiro avança e vive estágio mais avançado. O segundo vive momento de estagnação.

O LANCE! apurou que o clube deve lançar a campanha para o estádio em novembro - e evitou apressar para que ela não atropelasse o crowdfounding que vem sendo feito para o centro de treinamento. O projeto deve ser iniciado de forma prática, minimizando ou paralisando a utilização da casa cruz-maltina para jogos, a partir do segundo semestre do ano que vem.

- Ainda não fecharia no fim deste ano por conta das etapas. Tem que ter a aprovação dos conselhos do clube o licenciamento da prefeitura. São pelo menos seis meses. No primeiro semestre do ano que vem, São Januário estará totalmente operacional. É possível que o início das obras seja no segundo semestre - afirmou, ao L!, o vice-presidente de obras e engenharia do Vasco, Pedro Seixas.

Há cerca de três meses, o LANCE! apresentou informações exclusivas. A previsão era de que a amortização da dívida se confirmasse de forma mais breve, mas expectativa se inverteu. O fundo que investirá de R$ 200 milhões a R$ 250 milhões para a reforma de São Januário será montado e, o passo seguinte diz respeito ao estabelecimento da construtora que executará o projeto. Em ambas as etapas há diferentes grupos interessados.

Como já havia sido divulgado na apresentação do plano diretor, em dezembro do ano passado, as pessoas físicas ou jurídicas que investirem por meio do fundo serão ressarcidas de diferentes formas. Produtos como camarotes e cadeiras, que serão alugados a cada temporada terão retorno financeiro direcionado aos credores.

Alterações no projetos são possíveis, até por isso as reuniões com os conselhos do clube se fazem necessárias. O Conselho de Beneméritos aceitou pedido de reunião para o início do mês que vem, conforme o site Globoesporte.com informou primeiramente. O último capítulo interno será a aprovação do Conselho Deliberativo.

Redução das dívidas
Mas o grande problema são as penhoras, entraves, principalmente no que diz respeito à amortização das dívidas. O projeto que visa a redução dos débitos do Vasco passa pela dificuldade para obtenção de garantias que viabilizem a entrada de terceiros de forma segura. O plano é que um investidor se confirme num formato similar à "compra" da dívida, transformando o clube em devedor de apenas um, em vez de vários, como ocorre atualmente.

Os projetos são de olho no futuro. Mas as penhoras judiciais impostas pela Justiça já dificultam o presente do Vasco. Mesmo empréstimos aprovados recentemente no Conselho Deliberativo se tornaram difíceis pela dificuldade de garantias. Tais garantias que precisam ser dadas para o futuro se desenhar melhor para o clube.