Presidente do Grêmio descarta reduzir intervalo das partidas

Romildo Bolzan pontuou que a integridade física dos jogadores não pode ser sacrificada pensando em facilitar o cumprimento do calendário

Bolzan diz que Grêmio nem foi consultado

Bolzan diz que Grêmio nem foi consultado

Lance

Uma das ideias que tem sido comentadas no círculo do futebol para garantir a manutenção da atual fórmula do Campeonato Brasileiro é a redução do intervalo mínimo para as partidas de 66 para 48 horas.

Leia mais: Cristiano Ronaldo é 1° do futebol em seleto 'time' de atletas bilionários

Quem falou sobre o tema pela primeira vez foi o presidente da Federação Nacional dos Atletas de Futebol (Fenapaf), Felipe Augusto Leite, ao programa "Domingo Esporte Show", da "Rádio Gaúcha".

Algo que, na visão do presidente do Grêmio, Romildo Bolzan, é uma ideia inviável.



Para ele, não se pode pensar no sacrifício da condição física dos jogadores para a manutenção do atual formato da competição que não tem data de início garantida por conta da paralisação mediante a pandemia do novo coronavírus. Além disso, ele pontuou que, até o momento, o Tricolor não foi consultado sobre o tema.

- Não vejo isso como possível. Os dias de descanso dos atletas têm de ser mantidos. É preciso manter a integridade física dos jogadores. Até porque temos viagens longas aqui no país. Essa regra de um jogo a cada 66 horas tem de ser mantida. Para mim, é pauta nova. Ninguém falou comigo sobre isso - disse o mandatário ao portal "Gaúcha ZH".

Astros do futebol ajudam no combate ao coronavírus