Lance Novak Djokovic abre mão de milhões e ameaça legado esportivo por falta de vacina contra Covid

Novak Djokovic abre mão de milhões e ameaça legado esportivo por falta de vacina contra Covid

Sérvio poderia acumular US$ 4,6 milhões com títulos no Aberto da Austrália e no US Open, além de superar Rafael Nadal no total de conquistas na carreira

Lance
Lance

Lance

Lance

A decisão de não se vacinar contra a Covid-19 tem custado caro para Novak Djokovic. Não só no aspecto financeiro, mas também no esportivo. Somente em 2022 ele ficou de fora de metade dos Grand Slams, os principais torneios da temporada. Em janeiro, Djokovic foi deportado e não conseguiu jogar o Aberto da Austrália. Agora, ele confirmou que está fora do US Open.

As ausências em Melbourne e Nova York subtraem alguns milhões do orçamento do sérvio. Caso tivesse jogado e conquistado o título na Austrália, Djokovic teria faturado mais de US$ 2 milhões em premiação. Ele é o maior campeão da história do Grand Slam australiano, com nove títulos no currículo.

Nos Estados Unidos, as cifras são ainda maiores. Três vezes campeão do torneio, Djokovic poderia faturar US$ 2,6 milhões caso voltasse a conquistar o troféu em 2022. Se repetisse o desempenho do ano passado, quando foi vice-campeão, perdendo a final para o russo Daniil Medvedev, o sérvio levaria para casa US$ 1,3 milhão.

A título de comparação, Novak Djokovic acumulou US$ 4,2 milhões na temporada atual ao conquistar dois títulos. Mais da metade desse valor veio de Wimbledon. Ao conquistar o Grand Slam britânico, o tenista faturou US$ 2,5 milhões. A outra conquista do sérvio na temporada foi no Masters 1000 de Roma, na Itália.

Para quem já soma mais de US$ 158 milhões em premiação ao longo da carreira, deixar pelo caminho a chance de ganhar mais US$ 4,6 milhões não parece ter um peso muito grande. Mas a falta da vacina pode cobrar um preço bem maior quando o assunto é o legado esportivo de Djokovic.

Atualmente, o sérvio é o segundo maior detentor de títulos de Grand Slam da história do esporte, com 21 conquistas. O espanhol Rafael Nadal é o líder no quesito. Ele chegou ao 22º troféu este ano ao vencer Roland Garros pela 14ª vez na carreira, inclusive eliminando Djokovic nas quartas de final. Roger Federer vem logo atrás, com 20 títulos.

Se conquistar o US Open, Nadal pode abrir dois títulos de vantagem sobre o sérvio. Além disso, após o episódio de deportação, resta a dúvida sobre a situação de Djokovic para o próximo Aberto da Austrália. Caso ele não possa competir novamente, a briga para se tornar o maior vencedor da história do tênis pode ser decidida pela simples falta de uma vacina.

Últimas