Michael, Valdivia e uso da base: leia a entrevista do novo diretor do Verdão

Anderson Barros foi apresentado nesta quinta e evitou dar detalhes sobre os interesses do clube no mercado. Ele citou jogadores como Veron que não podem perder espaço 

Lance

Lance

Lance

Anderson Barros foi apresentado nesta quinta-feira no Palmeiras e foi perguntado sobre o interesse em Michael, atacante do Goiás. Na mira do Corinthians, o atacante de 22 anos de idade recebeu elogios do novo diretor de futebol alviverde, que não deu detalhes sobre o negócio. Apenas reforçou a estratégia do clube para 2020, de valorizar atletas da base e buscar aqueles que realmente briguem para serem titulares.

- O Michael teve destaque nesta temporada, mas temos de entender bem o processo. Temos atletas na base com potencial tão grande quanto. E temos de entender se agora vale a contratação não só do Michael, de qualquer contratação. Tenho de considerar o potencial do Veron. É o equilíbrio para tomarmos a decisão. O Michael é um destaque do Brasileiro deste ano, mas temos de ter equilíbrio. E para ter boas condições em negociações, é importante estar em reserva absoluta - afirmou Anderson.

O Goiás tem repetido a interessados que deseja receber o valor integral da multa rescisória, de R$ 50 milhões. Por este valor, contudo, dificilmente sairia negócio com o Palmeiras, que definiu algo nesta faixa como quantia inicial para usar no mercado de início de 2020. A quantia pode aumentar dependendo de negociações de jogadores.

- Temos de dar seguimento, porque o planejamento do Palmeiras já existe. Estamos trabalhando, algumas situações serão validadas, outras modificadas. É um processo extremamente natural, principalmente pelas contratações. O Michael é um atleta de potencial, e jogadores assim serão mapeados pelo Palmeiras. O importante é entender nosso conceito, de valorização dos nossos atletas. Quem vier, tem de ser superior aos que temos na base e no plantel que temos no Palmeiras, extremamente qualificado - pontuou.

- O Palmeiras sempre foi competitivo no mercado e continuará sendo, porque é a exigência do seu torcedor. Quando buscamos números, não é o caminho. O Palmeiras vai buscar seus atletas que ele entende que possam reforçar o elenco, que podem dar uma qualidade ainda maior a uma equipe que venceu nos últimos anos. O Palmeiras até então sempre foi protagonista. Não tem de diminuir o processo, o Palmeiras vai continuar sendo competitivo e buscando títulos em todas as competições que disputar - completou.

Anderson Barros trabalhará na montagem do elenco com Vanderlei Luxemburgo e o gerente Cícero Souza. As decisões tomadas pelo departamento terão de passar pelo crivo do comitê gestor, formado pelos vice-presidentes Paulo Buosi, Alexandre Zanotta e José Eduardo Caliari, além do diretor financeiro Davi Gueldini.

A expectativa é de que o Palmeiras faça contratações pontuais e conte com a promoção de seis atletas formados nas categorias de base: o lateral-esquerdo Esteves, os volantes Gabriel Menino e Patrick de Paula, o meia Alan Guimarães, os atacantes Veron e Angulo. Além deles, voltam de empréstimo o goleiro Vinicius Silvestre, o zagueiro Pedrão e o atacante Artur.

​Veja outras respostas do novo diretor, inclusive sobre o possível interesse em Valdivia, que não permanecerá no Colo-Colo, do Chile.

Valdivia:
"É importante ser genérico em algumas coisas. O Valdivia é ídolo da torcida, tem sua história, mas é uma situação muito distante do clube. Tudo discutimos no dia a dia para tomar a melhor decisão para o departamento de futebol."

Uso do Artur após aparecer com a camisa do Flamengo:
"Todos temos de assumir nossos erros. O Artur, se eu me lembro do caso, teve uma atitude e ele mesmo reconheceu. Ele é um atleta criado aqui dentro, de potencial grande e estará conosco aqui, como todos os meninos da base. O que temos de separar bem é: se errarmos, vamos pagar pelos erros. Simples assim. Não podemos crucificar por um momento único".

​Contratações:
"Quando falamos em contratações, principalmente no Palmeiras, precisam ser estratégicas, com jogadores de potencial imediato para ser titulares. Temos de estar sempre comparando, avaliando o potencial dos nossos atletas. Um exemplo do Veron, Patrick, Gabriel Menino. Não adianta trazer jogadores de mesmo potencial. Jamais deixaremos de buscar, mapeando todo o mercado sempre, não só do Brasil, porque temos capacidade suficiente para isso, mas precisamos entender quais atletas podem efetivamente brigar para serem titulares".

Estilo de jogo para 2020:
"Temos de entender a instituição, o Palmeiras é competitivo, é a Academia, não pode ser diferente. Tem de estar dentro de todos. O Palmeiras precisa buscar a vitória, e como se busca? Sendo agressivo, competitivo, tendo a capacidade para vencer. Quando tem o treinador, ele precisa desta identificação. E o Vanderlei é um dos treinadores brasileiros com mais títulos, que não precisa provar nada a ninguém. Só ver o número de títulos dentro do próprio Palmeiras. É isto que temos de entender."

A base só completará elenco ou será usada?
"Você tem um determinado número de atletas e não é em um estalar de dedos. É preciso um exercício diário para entender a saída de um ou outro atleta. O Palmeiras neste ano, até conceitualmente, tem nove atletas da base subindo. Do Lucas Esteves ao Patrick, Gabriel Menino. Todos garotos que vão participar do processo. Há a necessidade de um exercício maior. Os meninos não poderão ser sacrificados, os meninos participarão do processo. Alguns já participaram no fim do campeonato e outros agora. Todos disputarão espaço no elenco, porque é um posicionamento muito claro do Vanderlei."

Borja:
"Sobre o Borja, existem outras situações, uma específica do Olimpia e que vamos discutir nos próximos dias. Vamos avaliar no departamento de futebol, e depois de uma decisão tomada, vai ao conselho. Sempre que discutirmos muito um assunto, a probabilidade de acerto vai ser muito maior."