Lance Meia relembra parceria na base do Fluminense com Gerson: 'Ele é um moleque extraordinário'

Meia relembra parceria na base do Fluminense com Gerson: 'Ele é um moleque extraordinário'

Roninho Germano, de apenas 23 anos, ficou do sub-12 ao sub-15 no Tricolor das Laranjeiras. Atualmente, o jovem defende as cores do Formia Calcio, da Itália

Lance
  • Lance | por Lance

Lance

Lance

Lance

O meia Roninho Germano teve a chance de atuar na base do Fluminense, entre 2009 e 2011, onde ficou do sub-12 ao sub-15. Nesse período, chegou a fazer parceria com um jogador que despontou na carreira: o meio-campista Gerson, do Flamengo. Parceiros até hoje, ele relembra um momento inusitado com o amigo na base do Tricolor em Xerém.

+ Confira e simule a tabela do Campeonato Brasileiro

- Sou amigo do Gerson até hoje. Ele é um moleque extraordinário e com o coração enorme. Tira onda comigo até hoje por ter dado uma caneta (passado a bola debaixo das minhas pernas) no meu primeiro treino. Às vezes jogávamos juntos no meio de campo. Eu vestia a 8 e ele com a 10. Também fiz parceria com Paulinho, que hoje joga no Boavista, de Portugal - relembrou.


- Sou amigo do Gerson até hoje. Ele é um moleque extraordinário e com o coração enorme. Tira onda comigo até hoje por ter dado uma caneta (passado a bola debaixo das minhas pernas) no meu primeiro treino. Às vezes jogávamos juntos no meio de campo. Eu vestia a 8 e ele com a 10. Também fiz parceria com Paulinho, que hoje joga no Boavista, de Portugal - relembrou.

- O Fluminense sempre teve uma base muito forte, muitos jogadores de alto nível que às vezes não conseguem chegar ao profissional por vários fatores. Gerson sempre foi diferenciado. Marcão, o pai dele, sempre acompanhando. Ele merece estar onde chegou hoje. Desejo sempre tudo de melhor para ele e para toda família dele - completou.

Após sair do Fluminense no sub-15, Roninho partiu para jogar no UA Horta, da Espanha. Quase 10 anos depois e com passagens por times de menor expressão, o capixaba lamenta não ter permanecido no clube carioca.

- Os planos de Deus são sempre maiores que os nossos. Ele sabe de todas coisas. Lembro que a diretoria me informou que o treinador não iria me utilizar e eu estava fora dos planos. Eles queriam me emprestar para o Ceará ou para o Madureira, mas eu não quis. Preferi voltar para o Espírito Santo e ficar perto da minha família. Acho que faltou um empresário na época também pra resolver isso e para eu ter um suporte maior até chegar ao profissional - disse.

Campeão da terceira divisão do Campeonato Goiano no ano passado com a camisa do Goiatuba, Roninho ainda busca deslanchar na carreira aos 23 anos. Atualmente, o jovem defende as cores do Formia Calcio, da Itália.

- Meu sonho sempre foi chegar na seleção brasileira ou italiana por eu ter dupla cidadania. Quero ajudar a minha família e os meus amigos que sempre estiveram do meu lado. Hoje também estou com Laira, que é minha namorada, e tenho outra cabeça. Ela me fez crescer muito como homem e planejo ter uma família no futuro com ela - finalizou.

Últimas