Integração e reforços: Júnior Lopes e Thiago Kosloski falam como auxiliares do Vasco

Profissionais vão trabalhar diretamente com Ramon Menezes e foram apresentados em vídeo ao vivo na VascoTV

Lance

Lance

Lance

O Vasco completou o novo departamento de futebol e, nesta terça-feira, apresentou os últimos dois novos nomes do grupo. Através de um vídeo ao vivo no canal oficial do clube no Youtube, Júnior Lopes e Thiago Kosloski, os auxiliares de Ramon Menezes, tiveram o primeiro contato com jornalistas e torcedores. Em uma live de quase duas horas, os dois responderam perguntas e frisaram a integração da comissão técnica. Júnior assumirá a posição de Ramon como auxiliar permanente e Thiago será o assistente direto.

Júnior Lopes é filho de Antônio Lopes, anunciado como coordenador técnico do Cruz-Maltino, e trabalhou em São Januário nas décadas de 1990 e 2000. Ele trabalhou ao lado de Ramon Menezes no Vasco em 2002 e foram colegas em um curso da CBF em 2018 e 2019. Júnior já passou por Cruzeiro, Flamengo, Palmeiras, Goiás, Grêmio e Athletico Paranaense, além de ter ficado cinco anos na Seleção Brasileira.

- Tive a sorte e a oportunidade de trabalhar com 15 ou 16 treinadores e tiramos um pouco de cada um. Coisas que gostamos ou não.Tem três mais importantes. O Mano Menezes é um cara que trabalha bem a defesa, a última linha, o posicionamento básico dos homens de trás, nunca deixando desprotegida. O Vanderlei Luxemburgo é mais pautado pelo ofensivo, visa mas movimentações na frente, o improviso, dá liberdade aos jogadores, faz com que a criatividade seja o principal. O Antônio Lopes é uma mescla dos dois, sempre se pautou pela organização dos setores, repetição dos treinamentos, sempre teve sucesso por isso. Uma mistura dos três é o que penso para o futebol. Dando prioridade para a organização, marcação e equilíbrio entre os setores ofensivo e defensivo - disse Júnior.

Aos 38 anos, Thiago Kosloski foi vice-campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2015. Na ocasião, ele estava no Botafogo-SP. Além disso, o profissional é formado em Educação Física e acumula passagens por China, Cazaquistão e atualmente está na Austrália. Thiago ressaltou a importância do grupo e afirmou que primeiro é preciso pensar em melhorar os jogadores que já estão no elenco antes de pensar nos reforços.

- Falo com o Ramon diariamente. Ele tem várias ideias por ter acompanhado o grupo de perto. No primeiro momento não podemos pensar muito nas mudanças, contratações, o time tem muita qualidade. Tendo a utilização de alguns aspectos do jogo, intensidade, compactação, colocar atletas onde eles rendem mais e se sentem a vontade. O Ramon já tem isso mapeado e vai conversar com a diretoria sobre reforços. Mas no primeiro momento acho que eles precisam de confiança. Já estão jogando juntos, já mostraram que têm condições de brigar por coisas grandes. Precisamos dar tranquilidade, mudar o modelo de jogo que vinha sendo usado. Contratações são bem vindas, mas isso o Ramon discute com a diretoria - afirmou Thiago.

VEJA OUTRAS REPOSTAS:

JOVENS DA BASE

THIAGO: Mantenho contato diário com o Ramon. Já nos falávamos quase uma vez por semana antes. Falamos sobre planejamento, grupo, o que pensamos em modelo de jogo, como estruturar os treinamentos. Ainda não nos aprofundamos na maneira de montagem porque tem que ser uma reunião com todos da comissão. Discutimos alguns nomes, o Ramon tem conhecimento profundo do grupo, não seremos uma comissão totalmente nova. Ele conseguiu ver de perto, já tem mapeado o que trabalharemos mais. Colocar os atletas jovens depende de resultado. O Vasco tem trabalho de excelência na base, revelou grandes jogadores. O resultado nos ajuda a dar tranquilidade aos meninos quando tiverem a chance. A base dos mais experientes será importante para dar mais tranquilidade para performar dentro do melhor nível técnico. Temos que ter tranquilidade para não queimar etapas. Para jogar no Vasco tem que ter personalidade, saber que a chance vai aparecer. A chance aparece em momentos de dificuldade. Quando está tudo bem é menos frequente. Onde você vê dificuldade eu vejo oportunidade. Eles estão em um grande clube, com uma grande responsabilidade.

JÚNIOR: Acho que o momento do elenco é muito bom com relação aos jovens. O garoto que subir agora para o profissional vai se sentir mais a vontade, terá um conhecimento maior do grupo, facilita. Temos que estar atentos para isso, as conversas, falar com o atleta, deixá-lo a vontade, saber das características. O Ramon já tinha esse papel, fazia a integração, tem conhecimento geral dos jovens. Vou procurar fazer bastante essa ligação. Conheço o Carlos Brazil, gerente da base, o auxiliar do sub-20. Estou tentando observar bastante, tem uma molecada boa. Em dois ou três anos pode ter 80% ou 90% da equipe formada por jogadores da base.

ESTUDOS

THIAGO: A capacitação é a chave para o sucesso. Quando parei de jogar em 2010 os cursos ainda estavam engatinhando. Me senti um pouco perdido, já tentei ir para o caminho das licenças, de me capacitar e tinha dificuldade. O 7 a 1 deu uma balançada e alavancou os cursos, ganhou mais credibilidade dos profissionais do Brasil. Tivemos a chance de estar junto aos 55 melhores treinadores do país. Mostra a evolução, que os profissionais estão tentando se capacitar. O futebol pede cada vez mais profissionalismo. Acredito nessa situação, mesclar a parte teórica com a prática. O futebol é aprendizado constante. O estudo é fundamental para entregar um resultado de excelência.

JÚNIOR: Os profissionais brasileiros já estão dando mais ênfase na preparação. Naquele 7 a 1 da Copa houve um reforço nisso de se estudar mais o jogo. Não tem mais volta. A CBF se preparou para isso com a CBF Academy. A obrigatoriedade já está chegando em competições como Libertadores e Sul-Americana de ter a Licença A ou PRO. É certo, temos que nos preparar. Havia isso antes, do ex-atleta não precisar de preparo, mas acho que ele sempre vai levar vantagem quando se preparar. Antigamente o jogador deixava de jogar e seis meses depois eram treinadores. Hoje não é possível, acho que o futebol brasileiro ganha. Está evoluindo, estamos andando para frente. Na última Copa do Mundo o Brasil alcançou o nível da França e da Bélgica, as três melhores. Acredito na ciência e no estudo. Acredito muito no resultado da Seleção na Copa de 2022. O Tite dá exemplo, fez também o curso.

INTEGRAÇÃO

THIAGO: Não adianta trazermos profissionais de alto nível se não tiver integração de todos. Penso em inserir todos no processo, todos vão ser importantes, especialmente no início. Estamos sempre integrados, conversando e trocando ideias. Quando se pensa na capacitação, quando se pensa em trabalhar em um clube do tamanho do Vasco, é essencial. Hoje o futebol requer um nível de profissionalismo muito grande. É fundamental procurar a capacitação. O Ramon elogia muito a equipe técnica, ele diz que vou me surpreender com a qualidade de todos, alguns eu já conheço. Estou feliz por trabalhar com esse grupo de alto nível. Essa união tem que começar e contagiar todos. O torcedor vai ver isso refletido dentro de campo. Fazer uma sinergia legal entre time e torcida.

JÚNIOR: Essa parada obriga notícias que normalmente não acontecem. Vi que nas redes sociais houve um debate sobre as trocas na comissão e os auxiliares. Hoje em dia quase todos os clubes têm dois ou até três auxiliares. Temos que filtrar tudo para o treinador, que está com a cabeça em outras coisas. Eu trabalhei como auxiliar do clube no Cruzeiro. Como auxiliar direto já fiz no Grêmio, onde éramos três. O mais importante é não ter vaidade, estar à serviço do clube. Nós três nos conhecemos bem. O Vasco tinha três auxiliares com o Abel, o Leomir, do Abel, o Ramon, e o nosso saudoso Silveira, que acabou falecendo. Agora estaremos os dois para cobrir esse espaço. As funções de cada um vai caber ao Ramon determinar.

OPORTUNIDADE

THIAGO: Recebi o convite do Ramon com alegria. Conheço ele desde a Licença B, seis, sete anos atrás. Sempre tivemos uma boa sintonia. Durante o período das licenças, sempre estivemos juntos na CBF, temos a mesma linha de trabalho, temos uma maneira de ver futebol parecida. Isso contou muito a favor de ele ter feito o convite a mim. Venho estudando nos últimos 10 anos para ter uma chance em uma equipe do tamanho do Vasco. Espero corresponder às expectativas e fazer um trabalho que coloque o Vasco em posição de destaque. Vou tentar potencializar o trabalho do Ramon. No retorno teremos um tempo curto e precisamos ser cirúrgicos nos treinamentos. Estou muito feliz. Vamos ser uma extensão do torcedor no clube. Me sinto preparado.

JÚNIOR: Recebi com prazer e satisfação. O Zé Luis e o Campello fizeram o convite no mesmo momento para eu ser o auxiliar e meu pai o coordenador técnico. Ficamos felizes pelo reconhecimento. O Thiago é de alto nível, fizemos o curso de Licença Pro juntos. Cada etapa dos cursos são dois módulos, normalmente em dezembro. Fiz com ele e o Ramon, nos demos sempre muito bem. Vamos todos trabalhar pelo Vasco para ter bons resultados.