Lance Ex-número 1 do mundo, Halep é suspensa por quatro anos por doping

Ex-número 1 do mundo, Halep é suspensa por quatro anos por doping

Romena foi pega com duas violações no programa e só poderá voltar a jogar em 2026

Lance
  • Lance | por Lance

Resumindo a Notícia

  • Simona Halep foi condenada a quatro anos de suspensão por doping.
  • Tenista já foi a número 1 do mundo.
  • Romeno só poderá voltar às quadras em 2026.
  • No US Open de 2022, foi detectado roxadustat no teste de urina.
Simona Halep vai ficar quatro anos longe do tênis

Simona Halep vai ficar quatro anos longe do tênis

Lance

Após vários meses de investigação e contestação por parte da tenista, a romena Simona Halep foi condenada a quatro anos de suspensão pela ITIA, a Agência de Integridade do Tênis.

Um tribunal independente suspendeu a tenista romena Simona Halep por um período de quatro anos após violações do Programa Antidopagem do Tênis (TADP).

Halep, 31 anos, campeã de Roland Garros e de Wimbledon, foi acusada de duas violações distintas do TADP. O primeiro referia-se a um Resultado Analítico Adverso (AAF) para a substância proibida roxadustat no US Open de 2022, realizado através de testes regulares de urina durante a competição. A segunda acusação dizia respeito a irregularidades no Passaporte Biológico do Atleta (ABP) de Halep.

O tribunal independente, estabelecido pelas Resoluções Esportivas, reuniu-se em 28 e 29 de junho de 2023 em Londres, e ouviu testemunhas científicas especializadas em nome de Halep e da ITIA, com a jogadora também prestando depoimento diretamente ao painel como parte do processo.

Em 11 de setembro de 2023, o tribunal confirmou que havia concluído que o jogador havia cometido violações intencionais das regras antidoping nos termos do artigo 2 do TADP:

A presença e uso de roxadustat conforme evidenciado na amostra de urina de Halep coletada em 29 de agosto de 2022 no US Open.

Compartilhe esta notícia no Whatsapp
Compartilhe esta notícia no Telegram

O tribunal aceitou o argumento de Halep de que tinham tomado um suplemento contaminado, mas determinou que o volume que o jogador ingeriu não poderia ter resultado na concentração de roxadustat encontrada na amostra positiva.

A acusação da ABP também foi mantida, com o tribunal afirmando que não tinha motivos para duvidar da “opinião forte” unânime alcançada por cada um dos três especialistas independentes da Unidade de Gestão de Passaportes de Atletas (APMU) de que “provável doping” era a explicação para as irregularidades no perfil de Halep.

Halep está provisoriamente suspensa desde outubro de 2022, o que o tribunal creditou ao período de inelegibilidade. Como tal, a suspensão da ex-número um mundial decorrerá de 7 de outubro de 2022 a 6 de outubro de 2026. O caso continua sujeito a recurso.

Karen Moorhouse, CEO da ITIA, disse: “Após um processo de audiência complexo e rigoroso, saudamos a decisão do tribunal independente. A ITIA seguiu os processos adequados como faríamos com qualquer outro indivíduo – de acordo com o Código Mundial Antidopagem – cumprindo o nosso propósito e responsabilidade de defender o princípio da concorrência leal, em nome do desporto".

E acrescentou: "O painel reconheceu que o procedimento apropriado foi seguido na decisão escrita. Compreendemos o significativo interesse público nestes casos e continuamos comprometidos em sermos tão transparentes quanto possível e a decisão completa será publicada oportunamente.”

A ITIA é o terceiro delegado, ao abrigo do Código Mundial Antidopagem (Código) da Federação Internacional de Ténis, o órgão regulador internacional do tênis e signatário do Código. A ITIA é um órgão independente responsável pela gestão e administração do antidoping no tênis profissional.

Sobre o roxadustat AAF

Roxadustat é uma substância legitimamente usada para o tratamento da anemia, mas está na lista de substâncias proibidas da WADA por ser considerada um agente dopante sanguíneo, que aumenta a hemoglobina e a produção de glóbulos vermelhos.

Sobre o processo ABP

Embora o ITIA seja um órgão independente que trabalha em nome dos principais órgãos do tênis profissional para supervisionar os programas anticorrupção e antidoping, o programa ABP mandatado pela Agência Mundial Antidopagem (WADA) é gerenciado por cientistas independentes com experiência específica. Em questões de dopagem sanguínea, de acordo com o Código Mundial Antidopagem (WADC).

Conhecida como Unidade de Gerenciamento de Passaporte de Atleta (APMU), ela monitora os parâmetros biológicos dos atletas para identificar possíveis violações das regras antidoping (ADRVs). Para os jogadores de tênis, a APMU reporta quaisquer irregularidades a um painel de peritos independentes composto por três cientistas especialistas em antidopagem para análise.

Este processo ocorre de forma anônima, com a APMU e o painel de especialistas desconhecendo a identidade do indivíduo em questão até mais tarde no processo.

Como tal, no momento em que foram levantadas suspeitas sobre o ABP do jogador junto ao ITIA, a APMU e o painel de especialistas do laboratório credenciado pela WADA de Montreal não sabiam que as informações do passaporte pertenciam a Simona Halep.

Sobre a audiência

A jogadora reuniu provas de quatro peritos: Professor Alvarez, Professor Coquerel, Professor Kintz e Paul Scott.

A ITIA convocou evidências de um especialista da AAF: Dr. Daniel Eichner, presidente do Laboratório de Medicina Esportiva e Testes de Pesquisa credenciado pela WADA em Salt Lake City e responsável pelo desenvolvimento de um método de teste aprovado pela WADA para roxadustat.

Além disso, apenas em relação à acusação ABP, o tribunal também ouviu o painel de peritos independentes. Os membros do painel de especialistas independentes são: Dra. Laura Garvican-Lewis, Diretora de Ciência da Agência Antidopagem dos Estados Unidos, Professor Giuseppe D'Onofrio, Professor de Hematologia Clínica e Laboratorial e de Patologia Clínica, Roma, Itália, e Jakob Mørkeberg, Gerente Científico Sênior da Antidoping Dinamarca.

O tribunal independente recebeu aproximadamente 8.000 páginas de evidências científicas e outras da jogadora e da ITIA.

Título no futebol, tênis e surfe: veja como foi o final de semana dos brasileiros pelo mundo

Últimas