Lance Galo tenta oferecer sede como garantia de dívida com André Cury, mas Justiça nega o pedido

Galo tenta oferecer sede como garantia de dívida com André Cury, mas Justiça nega o pedido

O empresário cobra quase R$ 900 mil do time mineiro por comissões na participação da contratação do atacante Franco Di Santo 

Lance
Lance

Lance

Lance

O Atlético-MG segue tentando achar uma solução para um processo movido pelo empresário André Cury, que cobra quase R$ 900 mil do Galo de comissões pela participação na contratação do atacante Franco Di Santo.

O Galo tentou oferecer sua sede, que fica no bairro de Lourdes, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, como garantia de que a dívida seria paga ao agente de jogadores. Porém, o Tribunal de Justiça de São Paulo, onde o processo corre, foi contra o pedido atleticano.

Foi a segunda vez que o clube mineiro tentou colocar sua sede para penhora. Nas duas vezes os magistrados da 39ª vara do TJSP negaram a solicitação do Atlético.

O relator do processo disse em seu relatório que a sede do Galo já possui penhoras para cobrir dívidas fiscais, que possuem preferência em relação às cobranças cíveis.

- No mérito figura de rigor a manutenção do indeferimento do efeito suspensivo, isto porque denota-se que sobre o imóvel ofertado à penhora pela parte agravante recaem penhoras de créditos tributários, os quais possuem preferência. No mais, é de se notar o expressivo valor do bem ofertado quando comparado ao valor da dívida: afinal, a parte aparentemente requer a penhora da própria sede do Clube que titulariza!-diz o texto do despacho que negou o pedido alvinegro.

Se a sede não interessa ao empresário, a defesa de André Cury tentou ter sob tutela os 49,9% do Shopping Diamond Mall que pertencem ao Atlético como forma de garantia para o pagamento da dívida com o agente, o que pode acontecer no decorrer do processo.

André Cury tem valores milionários cobrados do Atlético-MG em diversas ações que correm em várias esferas jurídicas como TJMG, TJSP e na CNRD da CBF.

Últimas