Futebol Vini Jr. revela idolatria por Adriano e relembra hexa do Flamengo: 'Maior memória da infância'

Vini Jr. revela idolatria por Adriano e relembra hexa do Flamengo: 'Maior memória da infância'

Em entrevista à revista de moda, atacante do Real Madrid falou como a conquista de 2009 ficou marcada e como o Imperador o influenciou a acompanhar o time

Lance
Lance

Lance

Lance

Vini Jr. nunca escondeu seu amor pelo Flamengo. E, mesmo no Real Madrid, o atacante de 20 anos continua sem esquecer o clube do coração, onde foi revelado. O assunto da vez, em entrevista à Gaffer, foi o início da carreira no futebol e os principais ídolos na infância. Segundo ele, um atleta em especial foi responsável por fazê-lo acompanhar todos os jogos do Rubro-Negro.

+ Confira a nota dos jogadores do Flamengo na vitória em Goiânia

- A maior memória da minha infância vem de 2009, quando o Flamengo ganhou o título (brasileiro) com o Imperador (Adriano). Para ser honesto, eu nem assistia aos jogos antes disso, gostava apenas de jogar. Mas quando o Imperador voltou, tudo mudou para mim. Eu acompanhei todos os jogos naquele ano e lembro claramente – afirmou o jovem, que tinha apenas nove anos de idade na época.

+ Veja mais notícias do Flamengo
+ Flamengo de volta ao G-4: confira a tabela completa do Brasileirão

O brasileiro é o destaque da última edição da revista Gaffer, uma das mais conceituadas do mundo da moda. Ele se arriscou como modelo e posou para um ensaio usando roupas assinadas exclusivamente por Valentino Garavani, renomado estilista italiano. Na entrevista, o jovem atleta também falou sobre seu posicionamento na luta contra o racismo.

- Temos que continuar lutando e se posicionando como estamos fazendo. (Lewis) Hamilton, (Lebron) James e Neymar, pessoas com uma voz poderosa, sempre aproveitam oportunidades para falar sobre racismo e é importante que todos façam isso. Temos que seguir nessa luta por igualdade. Temos que fazer. Para ser honesto, é uma loucura termos que continuar falando sobre esse assunto hoje em dia. Espero que as próximas gerações não tenham que passar por isso.

Últimas