São Paulo 'explica ao mercado' que não tentou trazer Cavani

Tricolor tomou medidas que minimizaram impacto financeiro devido à covid-19, como renegociação de pagamentos, e espera desempenho bom no ano

Leco deixará a presidência do São Paulo em dezembro desse anoa

Leco deixará a presidência do São Paulo em dezembro desse anoa

Luis Moura /WPP

O São Paulo precisou lidar com um problema inesperado em meio à série de medidas que tomou para tentar minimizar o impacto financeiro da pandemia do novo coronavírus: explicar ao mercado que não estava negociando a contratação de Edinson Cavani, estrela uruguaia que ficará sem contrato com o Paris Saint-Germain no fim de junho.

O assunto ganhou as manchetes há alguns dias, depois que Diego Lugano, amigo de Cavani e superintendente de relações institucionais do São Paulo, disse em entrevista a uma rádio argentina que conversa há tempos com o atacante sobre a chance de trazê-lo ao Brasil.

Em meio às renegociações que precisou fazer para tentar diminuir as despesas neste período sem futebol, a diretoria do Tricolor foi interpelada por alguns interlocutores sobre a suposta negociação com Cavani. Afinal, se estivesse em condições de contratar um reforço deste patamar, por que o clube estaria tentando renegociar contratos?

O São Paulo conseguiu deixar alguns pagamentos a bancos para o segundo semestre, além de postergar alguns repasses a fornecedores de serviços e, principalmente, de suspender parte da remuneração de seus jogadores: 50% dos salários e 100% dos direitos de imagem foram congelados a partir de março e serão pagos de forma parcelada quando a situação se normalizar.

O clube explicou aos interlocutores que a declaração de Lugano não sugeria a existência de uma negociação concreta, algo que tornou-se ainda mais utópico com a crise causada pela COVID-19. Em situação normal, já seria improvável buscar o atacante de 33 anos: o Tricolor ainda trabalha para colocar em prática o "projeto Daniel Alves", que prevê a ajuda de parceiros que se utilizem da imagem do atleta e ajudem a bancá-lo.

- Você faz um projeto desses. Fazer dois é impossível - resumiu uma pessoa ligada à diretoria são-paulina.

Ainda nesta semana, o clube precisa tornar público o balanço de 2019, que registrou déficit de R$ 156 milhões.

Curta a página do R7 Esportes no Facebook.

Símbolo do Fluminense lidera como mais bonito do mundo, diz pesquisa