Futebol Na Europa, ‘fábrica de talentos’ usa tecnologia para transformar futebol

Na Europa, ‘fábrica de talentos’ usa tecnologia para transformar futebol

Desde sala de musculação até campo, estrutura da Red Bull Academy é adaptada para captar dados que possam melhorar desempenho de atletas

Lance
Local projeta o futebol para o futuro

Local projeta o futebol para o futuro

Lance

‘Acesse o próximo nível’. Entre dois rios, o Saalach e o Salzach, após passar por uma estrada rural bastante arborizada, essa é a mensagem estampada na entrada da Red Bull Academy (FC Liefering), centro de treinamento para jovens atletas dos times da empresa, principalmente o Red Bull Salzburg. Após passar pelo portão, dá para entender melhor a frase, pois o local é uma espécie de ‘fábrica de talentos’ de futebol para o futuro.

Leia mais: Clubes receberão menos verba pela transmissão do Brasileirão

Com 12.000m² de extensão, seis campos de futebol, quadras, academias, sala de atletismo e áreas de tecnologia, o local possui sensores que coletam e armazenam dados dia e noite em servidores, cujo processamento permite evolução em todos os aspectos esportivos. Logo, casos de sucesso de Haaland, Timo Werner e Minamino podem acontecer com mais frequência no cenário mundial.

Neste CT, a tecnologia é um dos principais instrumentos de diferenciação do clube. Um exemplo é o SoccerBot360, sala rodeada por projetores que exibem imagens de pequenas traves ao seu redor. Nesse momento, quando uma pisca, o jogador precisa acertar o passe. O tempo varia, logo, precisa de eficiência e rapidez na tomada de decisão. Essa ferramenta rastreia velocidade, taxa de acerto e qual movimento é mais utilizado em determinada situação para que o atleta possa melhorar, entre outros fundamentos.

Caso algum atleta se lesione, o local possui uma pista de corrida anti-gravidade. Com tecnologia desenvolvida originalmente para astronautas, esse espaço permite que os atletas se recuperem mais rapidamente (uma espécie de fisioterapia), pois simula movimentos práticos e analisa peso corporal, comprimento e frequência do passo ao longo do tempo. “Na pista, o jogador utiliza calças herméticas com uma câmara de ar que vai até o quadril. Um soprador cria pressão nele, o que reduz o peso corporal em até 80%”, afirma Manfred Pamminger, CEO do FC Liefering, em publicação no site oficial da Red Bull.

Veja também: Empresas dão exemplo de solidariedade em tempos de pandemia de coronavírus

Em outro espaço, os jogadores têm o seu posicionamento monitorado por oito estações-base, que mandam dados de posição 25 vezes por segundo, garantindo maior precisão de aspectos como velocidade, desaceleração, taxa de respiração, temperatura corporal, passes certos, errados, controle de bola e tomada de decisão sob pressão. Nem mesmo a academia fica fora dessa: por meio de um tablet, eles acessam o treinamento e, a partir de câmeras infravermelhas, o desempenho vai para um banco de dados, que alerta para erros de execução e exibe as taxas evolução.

Com cerca de 200 jovens de sete nacionalidades distintas, o local já recebeu visitas de profissionais do Liverpool (ING) e de times das ligas nacionais da Alemanha e Espanha. Como não há uma fórmula perfeita para o futebol, os profissionais da Red Bull Academy trabalham na probabilidade de sucesso. “Vencerá aquele que tomar as melhores decisões, com mais rapidez, e implementá-las com mais precisão nos 90 minutos – tanto no primeiro quanto no último”, completa Pamminger.

Eles são 'velhinhos', mas ainda valem muito dinheiro no futebol

Últimas