Futebol Moraes revela maior desafio no Corinthians, mas afirma: 'Se tiver que dar carrinho, vou'

Moraes revela maior desafio no Corinthians, mas afirma: 'Se tiver que dar carrinho, vou'

Reforço corintiano, atacante acredita que precisará encontrar o seu espaço em campo no futebol brasileiro

Lance

O tão sonhado camisa 9 do Corinthians vestirá, na verdade, o número 18. Júnior Moraes foi apresentado pelo clube do Parque São Jorge nesta terça-feira (22), no CT Joaquim Grava e admitiu que após 13 anos jogando fora do Brasil, terá como maior dificuldade encontrar os espaços para ter o melhor rendimento dentro de campo.

- Já joguei de várias formas diferente dentro de campo, procuro me adaptar e achar os espaços conforme o time que eu jogo, a equipe, o país, onde vou procurar espaço para fazer gols, criar oportunidades. Aqui no Brasil vai ser um desafio grande, estou voltando depois de anos fora, e esse vai ser o meu maior desafio, encontrar os espaços para ser eficiente – disse o atacante durante a sua entrevista coletiva de apresentação.

> TABELA - Confira os jogos da reta final do Paulistão
> GALERIA - Veja o retrospecto do Timão no atual formato do Paulista

Moraes revelou possuir uma meta de gols na sua volta ao Corinthians, mas optou por não revelar. Ainda assim, o centroavante admitiu que não só de gols vive um jogador ofensivo, mas que fará o que precisar para que o coletivo seja beneficiado e o time conquiste títulos.

- Sempre trabalho com metas, objetivos. Na minha carreira sempre foi assim, mas sempre internamente. Não gosto de expor. É uma tática, recurso, que uso para estar sempre concentrado e motivado para buscar gols. Mas um centroavante não pode viver somente de gols. Tenho que ser eficiente para abrir espaço para os meus companheiros e dar assistências, passes. Sou um cara que fico muito feliz em dar assistências para os companheiros, tanto quanto fazer gols. Importante é ganhar. Se tiver que dar carrinho, vou fazer. Se tiver que fazer gol... o importante é fazer o clube vencedor dentro de campo – destacou Júnior.

Um ponto que Júnior Moraes julga como positivo para a sua adaptação dentro das quatro linhas no Corinthians é a sua versatilidade. Embora seja um atacante de área, o atleta já transitou em outras funções dentro do setor ofensivo durante a mais de uma década que esteve no exterior

- Vai ser um desafio para tentar achar a melhor maneira de jogar, para fazer gols. Acredito que a versatilidade que eu tenho, de mudar as características conforme o espaço que vou encontrando para ser eficiente, é uma das melhores características – disse o reforço corintiano.

Se não revelou a meta de gols, Júnior deixou claro um dos seus objetivos: ser titular no Timão.

- Na minha carreira eu sempre coloquei objetivos altos. E jogar de titular no Corinthians é, com certeza, um objetivo que eu tenho. E poder ajudar o clube a conquistar títulos, esse são os maiores objetivos – afirmou o camisa 18.
Moraes revelou possuir uma meta de gols na sua volta ao Corinthians, mas optou por não revelar. Ainda assim, o centroavante admitiu que não só de gols vive um jogador ofensivo, mas que fará o que precisar para que o coletivo seja beneficiado e o time conquiste títulos.

Treino Corinthians - Júnior Moraes

Treino Corinthians - Júnior Moraes

Lance

Júnior Moraes tem treinado com bola no Corinthians há uma semana (Foto: Rodrigo Coca / Agência Corinthians)

CONFIRA OUTRAS RESPOSTAS DE JUNIOR MORAES NA SUA COLETIVA DE APRSENTRAÇÃO

Jogar na Neo Química Arena

Expectativa enorme. Pode jogar no estádio, ver a torcida gritando como sempre fez. Eu gosto de estar presente, por dentro de tudo o que está acontecendo. Essas minhas idas ao estádio é justamente pra sentir a atmosfera, entender. Assistir do estádio é totalmente diferente da televisão. Já fui para estar por dentro e entender como funciona, ver como funciona.

Ser o contrato em uma posição onde o Timão sonhou com nomes badalados

Não me sinto pressionado, mas sinto que tem uma expectativa de muita gente em me ver jogando. Vai ser um desafio grande vestir essa camisa, essa posição tão prestigiada. Centroavante vive momentos ruins quando não faz gol, mas os melhores momentos quando marca. Então eu quero estar bem afiado e preparado para desempenhar o melhor futebol e dar resultados.

Carreira fora do Brasil e comparação com o futebol nacional

Vejo o futebol brasileiro com excelentes jogadores. Hoje, com a vinda de técnicos estrangeiros, traz um pouco sobre tática, intensidade, lá de fora. Acredito que a gente tem o melhor futebol e acredito que eu vou desfrutar bastante. Quando jovem eu não consegui desfrutar bastante do campeonato nacional do Brasil, e aqui no Corinthians tem excelentes jogadores. Entrar em campo qualidade técnica que tem os jogadores e conseguiremos fazer parcerias e resultados.

Conversa com o Róger Guedes e Fagner

Eu acho importante essa conversa com jogadores. Não vou ter muito tempo de entrosamento com eles. Essa conversa ajuda muito. Até hoje, em campo, conversei muito com o Fagner sobre posicionamento, onde passar a bola, como fazer. É muito importante. O Róger (Guedes) já conversei com ele em alguns momentos, mas algo mais natural, não sobre posicionamento, mas sobre o jogo, como eu gosto de receber a bola e coisas assim.

Conversa com Guedes significa titularidade contra o Guarani?

Essa conversa que tive com o Guedes foi no meio-tempo de um exercício e outro, a gente vai beber água e tem a resenha de alguns minutos, não foi durante o exercício. Acho que o Corinthians tem um grupo bom de jogadores com qualidade e se um jogar pela esquerda, um pela direita, um para frente, um para trás, o elenco está bem servido. O importante é dar resultados.

Família ligada ao futebol – Júnior é filho de Aluísio Guerreiro e Bruno Morais

Me sinto privilegiado de poder ter o meu pai como o meu mentor, e o meu irmão. Muitas vezes foi muito difícil, pois eu tive que provar muito mais do que os outros que tinha qualidade de me formar jogador de futebol, porque só tinha um irmão e pai jogadores. Então sempre tive que provar um pouco mais. Mas me sinto privilegiado, porque tive dentro de casa duas pessoas que me orientam, e orientam muito, e entendem da posição.

Amizade com Willian

Willian é um amigo que tenho muito carinho desde Donetsk, em 201. A gente tem uma amizade muito bacana com ele e a família dele. Jogar com jogadores do nível do Willian é maravilhoso, facilita muito a nossa vida. Expectativa enorme de entrosar em campo e buscar os resultados.

Dificuldades do calendário brasileiro

Vai ser um desafio, além do calendário, cada Estado é um clima diferente, e cada estádio uma grama diferente. Conversando com os jogadores já fui alertado sobre isso. Mas eu me cuido muito mesmo e acredito que hoje em dia para ter uma performance boa o cara tem que se cuidar bem. E vou fazer o máximo para estar dentro de campo o máximo de jogos possíveis. Mas quando for preciso de ficar fora de algum jogo, o Corinthians tem profissionais capacitados para gerir o grupo e o cansaço também.

Perfil de liderança

O Corinthians hoje está bem servido de líderes. Não é algo que eu precise assumir, porque existem ótimos líderes aqui dentro, experientes também, e eu acredito que pelo exemplo do dia a dia e dentro de campo a melhor maneira que eu possa ajudar o elenco.

O Corinthians tem condições de bater de frente com o Palmeiras?

Eu acredito que Corinthians tem condições de bater em qualquer clube no Brasil.

Últimas