Futebol Mesmo com mudanças, Fluminense insiste nas mesmas falhas e estaciona no final da tabela do Brasileirão

Mesmo com mudanças, Fluminense insiste nas mesmas falhas e estaciona no final da tabela do Brasileirão

Roger Machado tentou novo esquema tático diante das ausências, mas ainda não viu a equipe voltar a jogar bem; Flu chega a quatro derrotas seguidas

Lance
Lance

Lance

Lance

Uma das críticas nas últimas partidas do Fluminense vinha sendo a falta de variação tática da equipe. Com a ausência de nomes importantes, Roger Machado entrou em campo com novidades contra o Internacional, no domingo. No entanto, repetindo os erros de costume, o resultado foi a quarta derrota seguida no Campeonato Brasileiro, por 4 a 2 no Beira-Rio. E a aproximação da zona de rebaixamento.

+ ATUAÇÕES: Roger leva a pior nota em quarta derrota seguida do Fluminense; veja como foi o time

É possível falar sobre como a bola chega pouco ao ataque, seja com Fred ou Abel Hernández, ou sobre a sobrecarga dos meio-campistas na maioria dos jogos. Entretanto, é a fragilidade defensiva que vem dando cara a esse Flu, que outrora era referência neste quesito. Três dos quatro gols saíram com jogadas parecidas: jogada nas costas de Samuel Xavier pela direita e falha de marcação dentro da área. Isso foi visto também contra o Barcelona de Guayaquil (EQU).

Vivendo o mês mais importante do ano até aqui, o Fluminense se vê em momento conturbado, lidando com as lesões e desfalques e precisando contar principalmente com sua própria resiliência para crescer. Se no início da temporada o time podia até não performar bem, mas dava resultado, agora nem os placares favoráveis tem sido mais frequentes.

Veja a tabela do Brasileirão

No esquema 4-4-2, Roger escalou André para reforçar a marcação e potencializar os contra-ataques, ao mesmo tempo que Paulo Henrique Ganso ficaria mais livre para auxiliar o setor ofensivo. Mesmo com a atuação segura do volante, o meio-campo não teve tanto sucesso contra o Internacional. Até apareceu bem no ataque, mas viu o Colorado ter o espaço que queria para avançar pelo campo tricolor quase sem interferência. Martinelli, que há algumas rodadas vem caindo de rendimento, falhou na marcação diversas vezes, em uma delas dando a oportunidade para um dos gols do Inter.

SISTEMA DEFENSIVO COM PROBLEMAS

Nas laterais, o desempenho também foi abaixo da média. Egídio errou em cobrança de escanteio, cruzamentos, passes para área e teve visão de jogo limitada. Defensivamente, apresentou as mesmas limitações costumeiras. Já Samuel Xavier, que começou a partida flutuando bem entre o meio e o ataque, errou na marcação na defesa e permitiu que os mandantes fizessem cruzamentos que custaram dois gols ao Fluminense. Os lances foram semelhantes a um dos gols do Barcelona (EQU) na última quinta, em que ele também teve responsabilidade.

De todos os setores, o mais preocupante talvez seja a zaga. Considerada a melhor dupla da temporada 2020, Nino e Luccas Claro não demonstram o mesmo entrosamento. Errando passes, falhando na marcação e posicionamento, os zagueiros comprometeram a dinâmica do jogo e permitiram que o placar terminasse em 4 a 2.

Embora o elenco tenha suas limitações, a queda de desempenho do grupo nos últimos jogos preocupa. Prestes a disputar duas partidas eliminatórias, o Fluminense aparenta ter retrocedido até mesmo nos aspectos em que não tinha problemas. Mesmo com outra maneira de jogar, o time parece não engrenar mais. Em pouco tempo, o objetivo deixou de ser a busca pela classificação para a Libertadores do ano que vem para lutar contra o Z4.

Com o resultado, o Flu fica com 17 pontos e cai para a 15ª posição, apenas dois a frente do Sport, que abre a zona de rebaixamento. Na quinta-feira, a equipe faz o jogo de volta das quartas de final da Libertadores contra o Barcelona de Guayaquil, no Equador. A bola rola às 21h30 (de Brasília). A ida foi 2 a 2 no Maracanã.

*Estagiária sob a supervisão de Luiza Sá

Últimas