Futebol Lisca vê trabalho em evolução e entende críticas: 'Torcida está machucado'

Lisca vê trabalho em evolução e entende críticas: 'Torcida está machucado'

Treinador repetiu o discurso de crescimento do Santos no Campeonato Brasileiro

Lance
Lance

Lance

Lance

Em participação na Brasil Futebol Expo, o técnico Lisca voltou a falar sobre o momento difícil em que o Santos passa. A equipe perdeu na noite de segunda-feira (5) por 2 a 1 para o Goiás, na Vila Belmiro, e saiu de campo debaixo de vaias.

O treinador vê essa reação como natural, mas destacou que há uma evolução no trabalho e garantiu ter respaldo do presidente Andres Rueda e dos jogadores do Alvinegro Praiano.

- Isso é corriqueiro em nossa vida e nossa profissão, ainda mais quando você trabalha em um grande clube da dimensão do Santos e da maneira que foi. Nós fizemos um bom jogo, mas os números no final é o que interessa. O Goiás fez dois gols e u nós um só, mesmo com mais volumes. Tem números da evolução nossa que não podemos mostrar. Se você ver os números desde que eu cheguei para hoje, você vê evolução. Mas eu não vou ficar argumentando isso. Cabe a mim trabalhar, me fechar com os jogadores. Eu tenho um suporte muito bom com o presidente Rueda. Se motivar para superar isso. A gente que está um longo tempo na estrada, aprende a lidar com isso - disse Lisca.

Sobre as vaias em que recebeu após o término do jogo, o treinador santista vê como natural as críticas por conta dos momentos difíceis em que o clube passou recentemente. Lisca ainda apontou alguns números de evolução do Peixe desde sua chegada.

- Não sinto frustração nenhuma. Me sinto até mais motivado para poder mostrar o trabalho, transformar críticas em aplausos. Eu tenho consciência do trabalho. Os números são bons. O Santos fora de casa, antes de eu chegar, era 29% de aproveitamento. Hoje, tem 43%. Mas isso a imprensa não fala. As pessoas muitas vezes não vê. Números de gols, gols tomados, média. Os scouts também, tudo melhorou muito. São dados que não vou colocar para torcida. Estou falando porque você me perguntou. Mas eu acho que é um movimento natural de um time grande, de uma torcida que está machucada por ter jogado mais na parte baixa do que na de cima na tabela. Depois da final da Copa Libertadores de 2020, é um trabalho de reconstrução no clube, de credibilidade - finaliza o treinador.

O técnico Lisca comandou o Peixe em sete oportunidades: duas vitórias (Coritiba e São Paulo), duas derrotas (América-MG e Goiás) e três empates (Fluminense, Fortaleza e Cuiabá). O próximo compromisso da equipe será no sábado (10), contra o Ceará, na Arena Castelão.

Últimas