Futebol Líder de movimento da oposição faz queixa-crime contra Andrés Sanchez

Líder de movimento da oposição faz queixa-crime contra Andrés Sanchez

Felipe Ezabella, que foi candidato a presidente na última eleição do Corinthians, disse em entrevista ao "Meu Timão", que vai processar Andrés por injúria e difamação

Lance
Lance

Lance

Lance

A eleição para a presidência do Corinthians acontece somente no fim deste ano, mas parece já ter começado por conta das trocas de farpa entre situação e oposição. A última delas ocorreu entre o atual presidente Andrés Sanchez, e o líder do "Movimento Corinthians Grande", Felipe Ezabella, porém essa não vai ficar apenas no âmbito do clube e terá de ser resolvida nos tribunais.

Isso porque Andrés, em participação no programa "Jogo Aberto", da Band, no último mês, pediu explicações a Ezabella, sobre o dinheiro que teria recebido na transferência de Elias ao Timão, quando saiu do Sporting, em 2014.

- Ele tem que provar como ele ganhou os R$ 500 mil entre Sporting, Corinthians e Elias, provar para o corintiano como ele ganhou esse dinheiro se era secretário do Cori, se ele era conselheiro, se ele era diretor, aos pouquinhos nós vamos falando tudo - disse Sanchez.

Em entrevista ao "Meu Timão", na última terça-feira, Ezabella, que já foi candidato à presidência na última eleição corintiana, falou sobre o caso e disse que já entrou com uma queixa-crime contra o atual presidente.

- Fiquei muito chateado, e o que eu fiz foi a resposta fria da lei, já ingressei com uma ação criminal contra ele, uma queixa-crime na 1ª Vara Criminal do Tatuapé, já tem parecer do promotor para a audiência. Enfim, espero que ele tenha sido mal aconselhado, porque foi um pouco premeditado. E que ele possa refletir, se for o caso se retratar, pedir desculpas, porque nunca recebi comissão na vida profissional de negociação de nenhum jogador, não recebi comissão, obviamente, na negociação do Elias em 2014, quando eu era conselheiro do Cori, nunca recebi valor profissional ou não profissional do Corinthians por nada. Então é isso que eu tenho para esclarecer e lamentar, realmente isso me deixou chateado e preferi recorrer só à lei.

Ainda segundo Ezabella, não há um pedido de valores no processo e nem há a intenção de que Andrés seja preso pelo que falou. No lugar de responder em público ou expor essa briga, ele foi aconselhado a buscar a Justiça.

- Queixa-crime é condenação por injúria e difamação, contratei um advogado. Veja, na hora que você sofre um atentado, um crime contra a sua honra, seja ele qual for, em qualquer ambiente. Lógico que a primeira reação é você ficar nervoso, querer responder, muita gente me ligou, falou que eu tinha que fazer isso, aquilo, na hora eu não estava vendo, estava trabalhando em um assunto, e só fui ver depois. Conversei com muita gente, um grande amigo advogado criminal, um dos principais criminalistas do país, me ligou. Eu, no primeiro momento, nem queria entrar, queria deixar passar e responder, mas ele falou que eu deveria mesmo dar entrada e deixar lá o processo para ver o que acontece, para ver se ele vai se retratar, e se ele não se retratar, ele vai ser condenado e pede a primariedade, não sei como funciona no criminal, mas ele não vai ser preso por conta disso, nem quero que seja preso por conta disso, mas pede a primariedade, paga cesta básica - concluiu o opositor.

A eleição para presidente do Timão acontece no fim de novembro deste ano. Até o momento, o "Movimento Corinthians Grande" não oficializou uma candidatura, porém trabalhar forte para lançar o nome de Mário Gobbi, que já tem dado declarações sobre voltar à vida política do clube, após se afastar ao término de seu mandato na presidência, em 2015.

Últimas