Futebol Kaká lembra do passado no Tricolor, projeta futuro e diz: Diniz dará certo

Kaká lembra do passado no Tricolor, projeta futuro e diz: Diniz dará certo

Ex-craque deu entrevista à TV oficial do clube e contou que está disposto a voltar a trabalhar diretamente com futebol. Ele faz curso de gestão esportiva na Uefa

Lance
Lance

Lance

Lance

Ídolo e torcedor do São Paulo, o ex-jogador Kaká deu uma entrevista à SPFCtv, canal oficial do clube no Youtube, e falou de passado, presente e futuro. Ele também aproveitou para dizer que está gostando do trabalho de Fernando Diniz e elogiar a diretoria por mantê-lo de 2019 para 2020.

- Estou gostando bastante e gostei muito de terem mantido o Diniz. Achei isso muito importante. Você termina o Brasileiro, vêm os questionamentos, manda embora... É o futebol extremamente imediatista dos dias de hoje. Não, vamos manter, vamos deixá-lo continuar plantando, porque a gente acredita que vai colher... E na hora que a gente estava começando a colher alguns frutos teve essa pausa, mas sem problema. Os jogadores já estão entendendo, leva um tempo para processar toda essa ideia, a filosofia, o jeito do treinador, de jogar e tudo mais, mas estou gostando, vai dar certo - disse Kaká, que planeja fazer parte da direção de algum clube no futuro.

- Gostaria muito de um dia voltar para o meio do futebol. Hoje me preparo para isso, tenho feito alguns cursos. O fato de ter bons resultados dentro e campo não significa que vou ter bons resultados fora. Queria de novo agradecer ao São Paulo, porque estou fazendo um curso de gestão esportiva da Uefa e preciso de algumas horas práticas, e o São Paulo mais uma vez abriu as portas para que eu entenda como funciona um clube no seu dia a dia, na sua rotina. Seu senso crítico muda muito, a gente critica muita coisa sem saber. Estou conseguindo trazer o que estou aprendendo na teoria para enxergar na prática dentro de um clube.

Kaká lembrou do início de sua trajetória no clube: cria das categorias de base em uma era anterior à construção do CT de Cotia, ele demorou um pouco além do esperado para ser promovido ao elenco profissional. E hoje enxerga tudo com bom humor.

- Eu tinha um problema de idade óssea, eu tinha 13 com corpo de 11, tinha 14 com corpo de 12... Foi aí que o Pita, meu treinador na época, me mudou de posição. Minha posição original era centroavante, e ele falou: "olha, para você não jogar muito de costas, vai jogar de frente, olhando o jogo". E a partir daí o São Paulo começou a fazer um acompanhamento comigo. Pegaram alguns meninos das categorias de base e falaram: "a gente quer fazer um laboratório mesmo, fazer um trabalho de fortalecimento e ver como eles vão se comportar". Um jornal aqui de São Paulo resolveu dar uma matéria sobre isso e a chamada é: "São Paulo prepara Cacá para o século 21". Era para eu ter subido ao profissional em 2000, período em que subiu o Júlio Baptista, mas em outubro de 2000 eu tive um acidente na piscina, fraturei a sexta vértebra, e fiquei até dezembro com colete cervical. Em janeiro eu volto a jogar na Copa São Paulo e subo para o profissional. É profética mesmo essa reportagem, porque até ano 2000 não é século 21 ainda. Minha gratidão é eterna ao São Paulo.

Kaká jogou no São Paulo até 2003, quando foi vendido ao Milan, e teve uma rápida passagem em 2014, antes de se apresentar ao Orlando City, clube dos Estados Unidos em que encerrou a carreira. Neste segundo momento, atuou em uma equipe com diversos destaques individuais e ficou com o vice do Brasileirão.

- Eu não falo em frustração, porque frustração é uma palavra muito forte, mas fica uma sensação ruim. Dava para ter conseguido. Ganha do Cruzeiro em casa com estádio lotado, coisa linda, e o Cruzeiro faz uma temporada em que não erra. Fica a sensação de que foi por muito pouco. Ficar marcado ganhando um Brasileiro não ia ser nada mal.

Últimas