Goleiro búlgaro diz que torcida não foi racista: 'Se comportaram bem'

Plamen Iliev, goleiro da seleção da Bulgária, afirmou que os torcedores presentes no estádio ficaram 'numa boa' e que os jogadores ingleses exageraram nas reclamações

Lance

Lance

Lance

Nesta segunda-feira, a Inglaterra visitou a Bulgária, em Sófia, em jogo válido pelo Grupo A das Eliminatórias da Eurocopa 2020, e venceu com facilidade por 6 a 0. No entanto, o resultado ficou em segundo planos graças aos atos nazistas e racistas dos torcedores búlgaros em direção aos jogadores ingleses.

Durante o primeiro tempo de jogo, a partida foi interrompida em duas oportunidades por conta dos xingamentos racistas e saudações nazistas feitas pelos búlgaros nas arquibancadas. Mas para o goleiro da seleção, Plamen Iliev, os torcedores tiveram um bom comportamento.

- Sendo honesto, eu acredito que (os torcedores) se comportaram bem. Não houve nenhum abuso e acho que eles (jogadores ingleses) exageraram um pouco. O público estava numa boa. Não escutei palavrões para os nossos ou para os jogadores deles - afirmou o jogador, segundo o jornal britânico 'The Guardian'.

O goleiro não foi o único a dizer que a torcida búlgara não foi racista, mesmo com todas as ações sendo filmadas e fotografadas. O técnico da seleção, Krasimir Balakov, também falou no mesmo tom.

- Pessoalmente não escutei nada. Mas tenho que dizer que os torcedores ingleses vaiaram o hino da Bulgária. Durante o segundo tempo, usaram palavras contra nossos torcedores que achei inaceitáveis - disparou.

O capitão da Bulgária, Ivelin Popov, no entanto, foi na contramão dos seus companheiros e mostrou sensatez ao falar sobre o caso. Durante a partida, Popov foi até os torcedores para pedir que parassem com os atos preconceituosos.

- Racismo é um problema mundial que precisa ser erradicado. Você acha que um jogador estrangeiro vai querer jogara na Bulgária depois do que aconteceu? - finalizou.