Futebol Existem coisas que nem o futebol é capaz de explicar

Existem coisas que nem o futebol é capaz de explicar

Aos 49 minutos do segundo tempo, Alisson, goleiro do Liverpool, foi à área adversária e marcou o gol que garantiu os Reds vivos na disputa pela vaga na Liga dos Campeões

Lance
Lance

Lance

Lance

49 minutos do segundo tempo. No The Hawthorns, estádio do já rebaixado West Bromwich, o Liverpool precisava de um gol para seguir vivo na disputa pelo quarto lugar da Premier League, que dá acesso à vaga na Liga dos Campeões do próximo ano. Como de costume em momentos de desespero, o goleiro vai para a área. Sem pretensões? Eu duvido.

VEJA A TABELA DA PREMIER LEAGUE

Alisson foi para a área como quem queria o gol. Ele precisava do gol. O momento individual e coletivo não é o mesmo que outrora trouxe a Premier League e a Liga dos Campeões à Anfield. Mas existem coisas que nem o futebol explica. Aos 49 minutos do segundo tempo, Alexander-Arnold cobrou o escanteio e o goleiro brasileiro subiu mais alto do que todo mundo para que, com uma linda cabeçada no contrapé adversário, garantisse os três pontos para a equipe comandada por Jürgen Klopp.

A felicidade dos companheiros ao verem o gol do brasileiro diz muita coisa sobre o elenco dos Reds. Klopp parece formar uma família por onde quer que vá. E no Liverpool não seria diferente. Praticamente todos os jogadores que estavam em campo correram para abraçar Alisson, que se emociona muito. E não poderia ser de outra forma.

José Agostinho Becker, de 57 anos, pai dos goleiros Alisson e Muriel, faleceu há cerca de três meses. Ele nunca havia visto nenhum dos filhos marcar gols. Não estava acostumado com isso. Mas ontem, de lá do céu, ele pulou e comemorou mais do que qualquer torcedor da equipe inglesa.

Alisson gol - Liverpool x West Bromwich

Alisson gol - Liverpool x West Bromwich

Lance

Cabeçada de Alisson teve movimento perfeito (Foto: TIM KEETON / POOL / AFP)

Ao apontar para o céu após marcar, Alisson sabia que seu pai estava o assistindo. E José sabia que seu filho estava o homenageando. As lágrimas do goleiro em um momento de emoção foram sentidas por todos. "Tenho certeza que meu pai está celebrando agora em algum lugar", disse o atleta à Sky Sports.

O gol de Alisson foi o primeiro de um goleiro na história do Liverpool. Também foi a primeira vez em que o brasileiro balançou as redes. Quando eu disse que ele foi para marcar, não é da boca para fora. O filho de José subiu e testou como um verdadeiro atacante. Um lance plástico que poderia ser protagonizado por poucos.

Nas redes sociais, o Liverpool pediu para que o lance fosse colocado em um dos museus mais importantes do mundo: o Louvre, em Paris. No YouTube, no canal oficial do clube, um vídeo de quase seis minutos com todos os ângulos possíveis do gol.

Poderia ser com uma defesa sensacional (o que seria mais provável), mas a história precisava ser escrita com o nome dele na ficha técnica. Gol. Alisson. Aos 49 minutos do segundo tempo.

Quando se perde alguém querido, escancara a necessidade de se apegar em algo. Talvez o momento não fosse tão bom, mas Alisson nunca deixou de ser um goleiro de Seleção Brasileira. Aponta para o céu, filho de José. O momento é de vocês.

Últimas