Futebol Da Série C à Libertadores: Fortaleza faz história com vaga inédita

Da Série C à Libertadores: Fortaleza faz história com vaga inédita

Em 4 anos, Leão do Pici se reconstruiu e é o 1º time nordestino a se classificar para o torneio na era dos pontos corridos

Lance
Fortaleza se reconstrói em quatro anos e vai da Série C à Libertadores

Fortaleza se reconstrói em quatro anos e vai da Série C à Libertadores

KELY PEREIRA/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO - 09/12/2021

Com direito a festa e quebra de recorde de público no Castelão, com 51.125 torcedores presentes, o Fortaleza venceu o Bahia, de virada, e garantiu a vaga direto na fase de grupos da Libertadores. O caminho para o sucesso, porém, começou a ser trilhado há quatro anos quando o clube subiu da Série C depois de oito temporadas.

Mesmo com uma derrota diante do Tupi-MG, fora de casa, em 2017, o Leão confirmou o acesso à Série B do Brasileiro. O ano seguinte, 2018, também foi marcante. Sob o comando de Rogério Ceni, veio o acesso à Série A e o título da Série B. Em 2019, a vaga inédita na Sul-Americana resultou no confronto com o Independiente no ano seguinte em que, apesar da eliminação na Arena Castelão, o clube fez um jogo histórico em Buenos Aires.

Se você chegasse para um torcedor em 2016 e falasse que o Fortaleza estaria na Libertadores em cinco anos, seria chamado de lunático

Marcelo Paz, presidente do Fortaleza

Durante esse período, o Fortaleza venceu três vezes o Campeonato Cearense e foi campeão da Copa do Nordeste pela primeira vez. "É a realização de um sonho. São feitos inesquecíveis, eu tenho muito orgulho de ter feito parte dessa trajetória, que envolve muito trabalho, organização, disciplina, profissionalismo e o apoio incondicional da nossa torcida, que esteve presente em todos os momentos", declara Marcelo Paz, presidente do Leão.

Feito histórico para o futebol nordestino

Mais de 51 mil torcedores do Fortaleza fizeram uma festa impressionante para celebrar a vaga na Libertadores

Mais de 51 mil torcedores do Fortaleza fizeram uma festa impressionante para celebrar a vaga na Libertadores

Reprodução/Instagram/@fortalezaec

A equipe cearense é a quarta da região a participar do principal torneio continental da América, mas a conquista através de um campeonato por pontos corridos é inédita. Antes do Fortaleza, Bahia, Sport e Náutico já disputaram a competição, porém nenhum deles se classificou no formato atual do Campeonato Brasileiro.

Os frutos colhidos no fim de 2021 eram apenas sementes quando Paz assumiu o cargo de presidente lá atrás, em 2017. Após a contratação de Rogério Ceni como técnico, o mandatário definiu como prioridade a construção do Centro de Excelência Alcides Santos. A estrutura de treinamento teve o aval do ex-goleiro e técnico que participou da idealização das estruturas de treinamento com melhorias nos gramados, academia, hotéis e vestiários.

Neste ano, mesmo com a pandemia, o clube se manteve equilibrado financeiramente, fez apenas contratações pontuais e não atrasou salários. Somado à organização nos bastidores, o Fortaleza foi ousado, mas certeiro quando trouxe o argentino Juan Pablo Vojvoda, até então desconhecido mas que mostrou o melhor trabalho como técnico de toda a Série A. Não à toa, o Leão do Pici foi o único time que ficou no G6 em todas as rodadas do Brasileirão.

Em 2022, o Fortaleza terá Vojvoda à beira do campo por mais um ano. Para um torcedor que desaprendeu a sonhar nos oito anos de Série C, os últimos quatro anos são uma recompensa. De um time que soube sofrer, se reconstruir, reconhecer limitações, mas nunca deixou de acreditar que voos mais altos poderiam ser alçados. 

Campeões, Grêmio e Bahia sobem em ranking dos mais rebaixados

Últimas