Futebol Cuca tem missão de blindar elenco do Santos em meio a problemas administrativos

Cuca tem missão de blindar elenco do Santos em meio a problemas administrativos

Peixe foi punido pela segunda vez em 2020 por conta de dívidas com outras equipes

Lance
Lance

Lance

Lance

Cuca ainda não completou dois meses desde que retornou ao Santos. E entre 11 jogos disputados, o treinador tem sido fundamental para blindar o elenco dos problemas administrativos.

Na última quarta-feira (16), o Peixe foi sancionado pela segunda vez por conta de não cumprimento de compromissos com outros clubes. Agora, o Huachipato (CHI) cobra 3,4 milhões de dólares (R$ 18 milhões na cotação atual), pois alega que o Alvinegro não pagou pela contratação do atacante Soteldo, no início de 2019.

Frente a isso, o Santos tem uma maratona de jogos, pelo Brasileirão e Libertadores, e o treinador, que foi fundamental na resolução de imbróglios com Everson e Eduardo Sasha, que haviam acionados judicialmente o Peixe e foram negociados com o Atlético-MG, agora terá o desafio de não fazer o plantel sentir a pressão externa com os problemas fora de campo.

Com os percalços financeiros e administrativos, o Santos tem "improvisado" profissionais em algumas funções. Com a saída de William Thoma da superintendência de futenol, no início de agosto, por não concordar com a demissão do ex-treinador, Jesualdo Ferreira, Jorge Andrade, que estava à frente das categorias de base, ganhou força na gestão do futebol profissional, assim como Renato, que retornou a direção técnica. Nessa toada, Cuca também tem atuado fortemente nas decisões extracampo. No ato da sua contratação, a diretoria santista deu "carta branca" para a sua atuação em todas as decisões que envolvem o time principal.

No momento, além de preservar o elenco, a preocupação do estafe do Peixe são os jogadores acertados, como Laércio e Elias, que já estão em Santos, e adiantados, como Robinho.

Os diretores santistas acreditam que basta o clube quitar o montante de dívidas com Hamburgo (ALE) e Huachipato (CHI) que gira em torno de R$ 50 milhões, enquanto os cartolas chilenos crêem em uma publicação de três janelas de transferências.

Últimas