Futebol Conselho Fiscal deve acelerar afastamento de presidente santista

Conselho Fiscal deve acelerar afastamento de presidente santista

Relatório encaminhado ao Conselho Deliberativo prevê envio de documento à Comissão de Inquérito e Sindicância tomar providências necessárias

Lance
José Carlos Peres pode ser alvo de novo processo de impeachment

José Carlos Peres pode ser alvo de novo processo de impeachment

Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC

O Conselho Fiscal do Santos manteve o parecer que reprova as contas da gestão do clube em 2019. Em documento protocolado à Mesa Diretora do Conselho Deliberativo no dia 20 de julho, há o pedido para encaminhamento da decisão à Comissão de Inquérito e Sindicância tomar as medidas cabíveis, entre elas um possível afastamento do presidente José Carlos Peres.

Com a adequação do Estatuto Social do Peixe ao Profut, no ano passado, o pedido pode acelerar esse processo que a princípio necessitaria da assinatura de conselheiros para que fosse protocolado na CIS.

Ainda assim, uma reunião do Conselho Deliberativo está prevista para acontecer virtualmente na próxima segunda-feira (3), com data ainda a ser confirmada. Caso os conselheiros aprovem o parecer fiscal, os apontamentos serão encaminhados à comissão para a abertura de um processo, tendo a gestão dez dias para apresentar a sua defesa e cabendo à Mesa Diretora convocar uma reunião extraordinária para votar o afastamento de Peres, esta precisaria contar com a presença de, pelo menos, metade dos conselheiros, sendo 2/3 deles favoráveis ao afastamento para que ele se confirme.

Pontos do parecer

Além do requerimento para que o relatório seja encaminhado à CIS, o Conselho Fiscal contra-argumentou a defesa do presidente José Carlos Peres protocolada à Mesa Diretora do Conselho Deliberativo, após a aprovação dos conselheiros à rejeição das contas de 2019, em videoconferência realizada no dia 30 de junho.

Entre os pontos abordados o CF afirma que Peres admite o uso irregular dos cartões corporativos, um dos pontos levantados para a reprovação inicial das contas.

– O presidente admite o uso ilegítimo do cartão, bem como a negligência com as pendências de ressarcimento dos valores – diz trecho.

Em outro ponto crucial na rejeição fiscal, o relatório afirma que a gestão não apresentou os documentos solicitados que comprovem a inexistência no pagamento de comissão ao empresário Renato Duprat na negociação do atacante Bruno Henrique com o Flamengo, no início de 2019.

Há também apontamentos quanto a falta de justificativa para o aumento de 43,45% nos custos e despesas orçados para 2019 e o não recolhimento de impostos, alterações no organograma do clube, acréscimo de 30,85% na folha de pagamento do ano passado, crescimento de R$ 100 milhões em valores previstos para possíveis e prováveis perdas em processos judiciais, atraso na entrega das atas do Comitê de Gestão à Mesa Diretora do Conselho Deliberativo e não pagamento de compromissos assumidos, ocasionando juros, multas e ações judiciais.

O Conselho Fiscal ainda acusa a gestão de desconhecimento e negligência ao Estatuto Social do Santos FC, querendo dar novos entendimentos a determinados artigos e incisos.

Curta a página do R7 Esportes no Facebook

Neymar: sete razões para acreditar que 2020 pode ser ano do brasileiro

Últimas