Flamengo

Futebol Conselheiras de grupo propõe emenda por igualdade racial, de gênero e identidade no Flamengo

Conselheiras de grupo propõe emenda por igualdade racial, de gênero e identidade no Flamengo

Associadas, Bruna Severo, Claudia Simas e Andresa Martins, do grupo político 'Flamengo da Gente', estão à frente da iniciativa em prol de inclusão no clube

Lance
Lance

Lance

Lance

Por ocasião do Dia Internacional da Mulher (8 de março), conselheiras do Flamengo apresentaram uma proposta de emenda ao estatuto do clube visando à promoção de igualdade racial, de gênero e de identidade.

Sócias-proprietárias e integrantes do conselho deliberativo do Flamengo, Bruna Severo, Bruna Severo, Claudia Simas e Andresa Martins, do grupo político "Flamengo da Gente", estão à frente da iniciativa em prol de inclusão.

- O principal objetivo desta ação é solicitar a criação de uma subdivisão dedicada às questões de Diversidade e Inclusão dentro da Vice-presidência de Responsabilidade Social e Cidadania do Clube de Regatas do Flamengo, possibilidade prevista no estatuto. A subdivisão ficaria responsável pelas ações que promovam a Diversidade e a Inclusão dentro do clube, como a criação de protocolos que incluam, especificamente, penalidades em casos de violência de gênero, LGBTIfobia e discriminação racial - diz parte da proposta do grupo.

Também é sugerido que haja uma "inclusão da opção do Nome Social no cadastro dos associados e, consequentemente, nas carteiras de sócio do clube e de de sócio-torcedor".

Em documento compartilhado com veículos de imprensa, é ressaltado ainda que o Flamengo não seria o primeiro clube a fazer valer o direito de utilização do nome social no cadastro, citando Bahia e Paysandu como exemplos no país.

Veja outras reivindicações:

"Emenda também pretende alterar redação de dois artigos no estatuto para
fortalecer a diversidade e a inclusão

Como forma de refletir esse novo posicionamento do clube, a emenda das
conselheiras do Flamengo da Gente sugere, ainda, a mudança na redação de dois artigos do estatuto, de forma que evidenciem a preocupação e responsabilidade do Flamengo com todas as dimensões de Diversidade e Inclusão, respeitando e alinhando o clube às políticas e práticas internacionais de combate à violência de gênero, combate ao racismo e às desigualdades raciais, combate à intolerância e ao preconceito contra a comunidade LGBTI+, inclusão de pessoas com deficiência, respeito e estímulo à liberdade religiosa e proteção à terceira idade.

Por sua importância e por seu tamanho, Flamengo deve ser protagonista de
ações de igualdade, de diversidade e de inclusão

​O Flamengo da Gente entende que o Clube de Regatas do Flamengo deve estar alinhado a políticas e práticas internacionais de Diversidade e Inclusão e de combate à violência de gênero, ao racismo e à LGBTIfobia.

A FIFA, bem como outros campeonatos nacionais como a La Liga (Espanha) e a
Premier League (Inglaterra) e clubes de diversos países como o Valencia (Espanha), Fenerbahçe (Turquia) e o Vélez Sarsfield (Argentina), já possuem diretrizes, protocolos e metas para coibir a violência e a discriminação racial, de gênero ou a LGBTIfobia. Alguns clubes no Brasil, como o Bahia, também já possuem políticas claras nesse sentido.

O Flamengo da Gente acredita que o Flamengo deve assumir o protagonismo que lhe cabe nesse processo, fazendo jus a sua grandeza e vanguardismo no esporte nacional e internacional e, claro, resguardando a própria imagem e reputação do clube.

Emenda é iniciativa de frentes do Flamengo da Gente e obteve 51 assinaturas

A proposta é fruto direto do trabalho coletivo entre três frentes do Flamengo da Gente: a frente Mulambas da Gente, a frente LGBTI+ e a Frente pela Igualdade Racial. O documento é encabeçado por três sócias-proprietárias e integrantes do Conselho Deliberativo do clube, Bruna Severo, Claudia Simas e Andresa Martins, e obteve a assinatura de 51 conselheiros e conselheiras, não necessariamente vinculados ao Flamengo da Gente. Após o protocolo, mais assinaturas poderão endossar a proposta.

A partir de 50 assinaturas, o estatuto do clube exige que o presidente do Conselho Deliberativo do Flamengo remeta a proposta à Comissão Permanente de Estatuto para regular processamento e apreciação."

Últimas