Clubes da Premier League querem continuar temporada, mas nova reunião é que definirá a volta

Em reunião por videoconferência nesta sexta-feira, clubes concordaram em tentar o término da temporada dentro de campo. Governo decidirá se é possível ou não a volta

Lance

Lance

Lance

Após reunião por videoconferência nesta sexta-feira, os clubes da Premier League decidiram que querem a volta da competição, caso o governo inglês libere. Uma nova reunião, marcada para o dia 8 de maio, definirá ou não o retorno da competição.

Na mesma data, a Inglaterra anunciará se as medidas restritivas de isolamento devem ou não continuar. Se houver flexibilidade, as equipes devem tentar manter a temporada.

VEJA O COMUNICADO DA PREMIER LEAGUE
​"Em uma reunião dos Acionistas da Premier League, hoje, os clubes discutiram possíveis medidas para planejar o retorno da temporada 2019/20, quando for seguro e apropriado fazê-lo.

Foi reiterado que os pensamentos de todos estão com aqueles diretamente afetados pela pandemia da COVID-19.

Além disso, a prioridade da Premier League é a saúde e a segurança de jogadores, treinadores, gerentes, funcionários do clube, torcedores e toda a comunidade.

A Liga e os clubes estão considerando as primeiras tentativas de avançar e só voltarão a treinar e jogar com orientação do governo, sob orientação médica especializada e após consulta com jogadores e dirigentes.

A Liga saudou a criação do grupo de trabalho médico do governo para o retorno do esporte de elite, que se reuniu pela primeira vez nesta manhã.

Nenhuma decisão foi tomada na assembleia geral de hoje e os clubes trocaram opiniões sobre as informações fornecidas sobre o "Reinício do Projeto".

Foi acordado que o PFA (Associação dos Futebolistas Profissionais da Inglaterra e do País de Gales), LMA (Associação de Treinadores da Liga), jogadores e gerentes são essenciais para esse processo e serão consultados posteriormente.

Os clubes confirmaram seu compromisso de terminar a temporada 2019/20, mantendo a integridade da competição e receberam o apoio do governo."