Futebol Ceni não vê sorte em classificação do São Paulo e exalta emocional: 'Um time que luta por cada palmo'

Ceni não vê sorte em classificação do São Paulo e exalta emocional: 'Um time que luta por cada palmo'

Técnico diz que Tricolor não abaixou a cabeça apesar de desvantagem durante o jogo

Lance
Lance

Lance

Lance

Após a classificação emocionante do São Paulo contra o Palmeiras pela Copa do Brasil nesta quinta-feira (14), Rogério Ceni negou que a sorte tenha sido uma aliada para o resultado - que só foi determinado em uma cobrança de pênaltis.

Galeria
> ATUAÇÕES: Jandrei salva o São Paulo nos pênaltis e se vinga de arquirrival; veja as notas

Tabela
> Veja tabela da Copa do Brasil e simule os próximos jogos

Mesmo com a vantagem são-paulina no placar do jogo de ida, disputado no estádio do Morumbi, a equipe alviverde não demorou para virar, ainda nos primeiros minutos do clássico. Porém, com o pênalti convertido por Luciano no segundo tempo, a decisão final ficou nas penalidades.

Ceni destacou que o ponto forte da sua equipe não foi a sorte, mas sim a questão emocional, que, de acordo com suas palavras, foi muito bem equilibrada. O treinador ressaltou que, mesmo com a virada rápida do Palmeiras, o Tricolor não abaixou a cabeça e manteve o foco na classificação.

- Não coloco como sorte, coloco como emocional. Acho que conta muito, temos um goleiro que vai melhor que o outro, batedores que foram melhores, mas é bom destacar a firmeza do clube não desistir mesmo com a situação mais adversa. Os caras se mantiveram focados mesmo com a intensidade. Aqui é difícil jogar, temos que reconhecer que era contra um grande time, talvez contra o time com o futebol mais envolvente do país - disse.

Para ele, a preparação do Tricolor foi essencial. Ceni alegou que notou algumas diferenças no Palmeiras, inclusive no aquecimento. Porém, não deixou de enfatizar que seu elenco lutou e se dedicou por todo o tempo.

- No futebol, quando perde acham que você tem sorte, e quando ganha acham que são competentes. Eu vejo meu time como um time que luta por cada palmo de campo, um time que, com todas as dificuldades, não abaixa a cabeça e não desanima. O Dudu veio pela esquerda, notamos no aquecimento. A gente esperava alguma alteração, devido ao Rony. Tivemos que jogar com uma sobra, o Dudu é alguém que desequilibra. Precisávamos de uma sobra porque o um contra um dele é muito bom - comentou.

O ex-goleiro também falou sobre o começo de jogo apagado do São Paulo, que foi justamente quando o adversário criou as oportunidades de marcar. Para ele, isso não afetou a equipe, mas por outro lado deu um novo gás.

- Acho que tivemos 15, 20 minutos ruins. Acho uma coisa tradicional do futebol brasileiro, você espera o adversário bater para você reagir. Precisamos ter o mesmo comportamento dentro e fora de casa. Nas duas vezes que viemos aqui, esperamos tomar os gols para podermos começar a jogar. Hoje, depois do 2 a 0 no placar, começamos a colocar a bola no chão e trabalhar essa bola. Aí começamos a desenvolver, criar nossas oportunidades de gol - completou.

Últimas