Futebol Celso Barros pede renúncia de Mário após demissão de Roger: ‘Arrogante, covarde, autoritário e de índole ruim’

Celso Barros pede renúncia de Mário após demissão de Roger: ‘Arrogante, covarde, autoritário e de índole ruim’

Afastado desde 2019 das funções no clube, ex-presidente da Unimed Rio vê departamento de futebol ‘muito atrasado’ e elogia Renato Gaúcho

Lance
Lance

Lance

Lance

Pouco depois do anúncio da demissão do técnico Roger Machado, Celso Barros publicou longo texto através do Instagram para falar sobre o assunto e atacar o presidente Mário Bittencourt. Afastado da diretoria desde novembro de 2019, ele afirmou que o departamento de futebol “está muito atrasado”.

- Acompanhei as inúmeras manifestações do fora Roger. Me lembro também em alguns momentos do campeonato passado do fora Odair. E agora que o Roger foi demitido, quem sabe daqui algum tempo não ouviremos um fora "outro técnico". Confesso que os dois nomes citados, não fariam parte das minhas primeiras escolhas, muito menos o interino permanente - escreveu.

O vice-presidente eleito do Flu usa frequentemente as redes para falar sobre o clube, normalmente alfinetando Mário Bittencourt. Os dois tiveram diversas divergências antes do afastamento, que foi culminado em novembro de 2019, quando Barros defendia a demissão de Marcão e Bittencourt bancou o trabalho.

​- Eu fiz este longo post, e desde já peço desculpas, pois foi para dizer, que o grande responsável por tudo isto é o presidente bitcoin. Arrogante, covarde, autoritário, indivíduo de índole ruim. O departamento de futebol profissional do Flu é muito atrasado. Quando estive lá nesta gestão não me foi dada autonomia para fazer nada. Volto a afirmar: só ficam os amigos do rei e aqueles que lhe são subservientes. Eu só vejo uma saída, a renúncia do presidente atual ou a organização de forte grupo de oposição para vencer as eleições de 2022.

Veja o texto completo de Celso Barros:

​“Acompanhei as inúmeras manifestações do fora Roger.
Me lembro também em alguns momentos do campeonato passado do fora Odair.

E agora que o Roger foi demitido, quem sabe daqui algum tempo não ouviremos um fora "outro técnico".

Confesso que os dois nomes citados, não fariam parte das minhas primeiras escolhas, muito menos o interino permanente.

Acho que todos sabem que considero Renato Gaúcho, nem tanto pelo trabalho atual, que até brinquei com ele outro dia, dizendo que com aquele elenco até eu seria um excelente treinador. Mas por todo o seu currículo vitorioso no Grêmio e no Flu, ele é na minha visão um dos melhores técnicos que atuam no futebol brasileiro.

Não conseguimos avançar para as semifinais da Libertadores. O vice campeonato da competição em 2008, continua sendo a nossa melhor participação.

Não é nenhum demérito ficar entre os 8 melhores colocados da Libertadores. Creio também com todo respeito, que o time equatoriano se disputasse o Brasileirão estaria colocado do 10º lugar para baixo.

Na Copa do Brasil, enfrentaremos o Atlético Mineiro que é um dos melhores times da atualidade, e que tem como técnico o meu amigo Cuca, que também coloco como um dos melhores técnicos brasileiros.

Além disto o Atlético tem um dos melhores executivos do futebol nacional, outro grande amigo, Rodrigo Caetano, com quem já trabalhei.

É difícil, devemos ser realistas, mas futebol é no campo e vamos continuar torcendo para que o Flu avance na Copa do Brasil. Se infelizmente isto não acontecer, nos restará o Brasileirão, onde no momento estamos bem próximos da zona do rebaixamento.

Eu fiz este longo post, e desde já peço desculpas, pois foi para dizer, que o grande responsável por tudo isto é o presidente bitcoin.

Arrogante, covarde, autoritário, indivíduo de índole ruim.

O departamento de futebol profissional do Flu é muito atrasado.
Quando estive lá nesta gestão não me foi dada autonomia para fazer nada.

Volto a afirmar: só ficam os amigos do rei e aqueles que lhe são subservientes.

Eu só vejo uma saída, a renúncia do presidente atual ou a organização de forte grupo de oposição para vencer as eleições de 2022.

Enquanto isto, oremos”

Últimas