Futebol Atacante ex-Corinthians, atualmente nos Emirados, fala sobre adaptação, dificuldade com idioma e relação com técnico brasileiro

Atacante ex-Corinthians, atualmente nos Emirados, fala sobre adaptação, dificuldade com idioma e relação com técnico brasileiro

Paulinho, jogador do Khor Fakkan e ex-Corinthians, chegou ao clube em janeiro e já se firma como titular

Lance
Lance

Lance

Lance

Contratado junto ao Levski Sofia, da Bulgária, o atacante Paulinho foi apresentado pelo Khor Fakkan em janeiro de 2021. O brasileiro, que também tem cidadania búlgara, chegou como a contratação mais cara do clube para a temporada.

Veja o mata-mata da Europa League

Há cerca de três meses nos Emirados Árabes Unidos, o jogador se diz bem adaptado ao futebol e à cidade, apesar de ainda ter dificuldades com o árabe. O brasileiro também comentou sobre a diferença de jogar na Bulgária e no Oriente Médio.

- A minha adaptação aqui tem sido muito boa. Melhor do que eu imaginava, na verdade. Claro que ter companheiros e comissão técnica que falam portgugês ajuda muito (risos). Eu ainda sofro um pouco com o idioma, mas sinto cada dia mais que estou em casa - disse o camisa 93.

- No começo foi mais difícil, principalmente no primeiro mês. Eu fiquei três anos na Bulgária, jogando um estilo de futebol totalmente diferente. Lá eu era referência, não precisava voltar para marcar e podia descansar sem bola. Hoje isso não acontece. O professor pede intensidade dos onze titulares e de quem vier do banco - completou.

Paulinho foi titular na última partida do Khor Fakkan, no dia 03 de abril. Agora, o time terá 30 dias de treinos até o campeonato ser retomado e o time voltar aos gramados, justamente no dia 03 de maio. O atacante entende que essa pausa pode ser benéfica ao time, já que o técnico poderá corrigir erros vistos na equipe.

- Acredito que esse período sem jogos ajuda bastante. É evidente que os jogadores acabam perdendo ritmo de jogo, mas dá para corrigir aquilo que o treinador vê que está errado. A equipe tem margem de melhora e esse tempo pode fazer bem para gente - disse o brasileiro de 27 anos.

Últimas