Andrés fala em 'show de bola' do Del Valle, mas nega demissão de Carille

Presidente do Corinthians admite atuação ruim e fala em 'aula de futebol' dos equatorianos; emprego de técnico está mantido mesmo em caso de derrota

Andrés admite que Corinthians foi dominado pelo Del Valle

Andrés admite que Corinthians foi dominado pelo Del Valle

Lance

Andrés Sanchez, presidente do Corinthians, foi extremamente sincero ao ser questionado sobre a atuação do Timão na derrota, por 2 a 0, para o Independiente Del Valle, na noite desta quarta. O cartola falou em show de bola da equipe equatoriana, mas rechaçou a possibilidade de queda do técnico Fábio Carille caso o Alvinegro seja eliminado para na Copa Sul-Americana.

"O time sentiu muito. Tomamos um show de bola. Jogamos muito mal e eles jogaram muito bem. A realidade é essa. Tem dia que dá tudo errado e hoje deu tudo errado para nós. Eles deram uma aula de futebol disso, temos que nos conscientizar disso e nos preparar para tentar reverter", cravou Sanchez.

Em casa e apoiado por quase 38 mil pessoas, o Corinthians praticamente não viu a cor da bola contra o Del Valle. O Timão saiu perdendo no primeiro tempo e o técnico Fábio Carille mandou a equipe para cima na etapa final. Mesmo assim, foi o time do Equador que dominou a partida e chegou ao segundo gol, em um rápido contra-ataque.

"Eles não nos deixaram jogar, essa é a realidade. Temos que ser francos. Não adianta dar desculpas. Eles deram um show de bola e nós perdemos. Saiu barato o 2 a 0", pontuou o dirigente deixando claro que o placar poderia ser mais elástico para os visitantes.

Apesar do momento instável, da queda de rendimento no Brasileirão e com a situação extremamente delicada na Copa Sul-Americana, Andrés Sanchez garantiu que o técnico Fábio Carille não corre risco de perder o cargo nesta temporada. Nas redes sociais, alguns torcedores cogitaram a possibilidade da queda do treinador.

"Esse é o grande problema do Brasil, da imprensa brasileira, dos dirigentes brasileiros, do torcedor brasileiro. Perde um ou dois jogos e tem que mandar o treinador embora, o presidente embora, o jogador embora e não é assim que se faz futebol. Hoje foi um dia que nós não jogamos nada e eles jogaram muito. Ninguém vai tirar o Carille não", concluiu o cartola do Corinthians.

Gols brasileiros e 'lei do ex' em Paris: o melhor do 2º dia da Champions