Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esporte - Notícias sobre Futebol, Vôlei, Fórmula 1 e mais
Publicidade

Defesa cita Lava Jato para tentar soltar suspeita de matar Daniel

Advogado da família Brittes usou decisão de Gilmar Mendes, na Operação Lava Jato, em dezembro de 2017, para reverter prisão de Cristiana

Lance

Lance|Do R7


O jogador Daniel, ex-São Paulo, e o casal Brittes
O jogador Daniel, ex-São Paulo, e o casal Brittes

A defesa da família Brittes usou uma decisão do ministro Gilmar Mendes na Operação Lava Jato para tentar reverter a prisão temporária de Cristiana Brittes, de 35 anos, presa por suspeita de envolvimento no assassinato do jogador do São Paulo, Daniel Corrêa.

Caso Daniel: Polícia deve concluir inquérito e definir crimes

Em dezembro de 2017, o ministro do Supremo Tribunal Federal concedeu uma liminar em favor de Adriana Ancelmo, esposa de Sérgio Cabral, ex-governador do Rio de Janeiro, concordando com o argumento de que Adriana, precisava ficar em casa cuidando de seus dois filhos. Ela foi condenada a 18 anos de reclusão na Operação Calicute, 37ª fase da Lava Jato, por lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Cosme Rímoli: Assassino confessa morte de Daniel. Foto com a esposa seria o motivo

Publicidade

Sendo assim, Adriana saiu da cadeia e aguardou a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em prisão domiciliar. Em menos de dez dias, o STJ confirmou a decisão da corte superior, mantendo Adriana em sua residência.

Na última segunda-feira, o advogado da família Brittes, Claudio Dalledone Júnior, mencionou a decisão de Gilmar Mendes para pedir a revogação da prisão temporária de Cristiana Brittes, alegando que a mulher de Edison Brittes precisa cuidar de sua filha de 11 anos. De acordo com o advogado, a criança não tem parentes com quem possa ficar durante o dia.

Publicidade

Veja mais: Polícia investiga propriedade do carro usado na morte de Daniel

Edison e Allana, a filha mais velha do casal, também estão presos de forma temporária. O pai confessou ter assassinado e torturado Daniel, que foi encontrado morto em uma plantação de pinos, em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba, no dia 27 de outubro.

Publicidade

O meia pertencia ao São Paulo e estava emprestado para o São Bento (SP). Daniel surgiu nas categorias de base do Cruzeiro. Antes de se tornar profissional, reforçou o Botafogo em 2013, no qual teve espaço na equipe principal e se destacou no ano seguinte. Em dezembro de 2014, chegou a conversar com o Palmeiras, mas foi reprovado nos exames médicos e acabou contratado pelo São Paulo.

Áudio indica ameaça de morte a testemunha que denunciou Brittes

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.