Logo R7.com
Logo do PlayPlus
BRASILEIRO 2022
Publicidade

STJ nega recurso da defesa e destrava transferência da pena de Robinho no Brasil

Os ministros negaram o pedido dos advogados do ex-jogador, que pediam a tradução do processo que condenou Robinho por estupro

Futebol|Do R7

STJ impõe nova derrota a Robinho e nega recurso
STJ impõe nova derrota a Robinho e nega recurso STJ impõe nova derrota a Robinho e nega recurso

A corte especial do STJ (Superior Tribunal de Justiça) negou nesta terça-feira (16) o requerimento da defesa de Robinho que pedia a tradução na íntegra do processo que condenou o ex-jogador a nove anos de prisão por estupro na Itália. Agora, o colegiado tem "caminho livre" para julgar se o ex-atleta pode cumprir a pena no Brasil.

Leia também

O recurso foi apresentado contra a decisão monocrática do relator, o ministro Francisco Falcão, que havia negado o pedido. Os advogados de defesa alegavam que Robinho só poderia se defender plenamente com o envio do documento na íntegra e traduzido da Justiça italiana. Os 15 ministros do STJ votaram nesta terça, de forma unânime, contra o pedido da defesa de Robinho. 

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Compartilhe esta notícia no Telegram

Publicidade

Em fevereiro deste ano, o governo da Itália pediu a homologação da decisão judicial, o que tornaria possível que Robinho cumprisse a pena em solo brasileiro. O STJ agora se reunirá para decidir se homologará a sentença estrangeira. 

Com a derrota imposta à defesa de Robinho, os advogados do ex-jogador agora terão que apresentar por escrito seus argumentos acerca do pedido da Justiça italiana para que ele cumpra a pena de nove anos por estupro no Brasil. 

Publicidade

Além disso, o Ministério Público deverá ser ouvido novamente antes que o colegiado agende uma nova data para o julgamento.

Do estupro contra jovem em balada a possível prisão no Brasil: relembre tudo sobre o caso Robinho

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.