Libertadores

Futebol Presidente do Galo pagou fiança para liberar delegação do Boca

Presidente do Galo pagou fiança para liberar delegação do Boca

Segundo o Atlético-MG, equipe argentina não tinha os R$ 6 mil em espécie cobrados pela polícia para soltura dos envolvidos em briga

Lance
Confusão aconteceu após jogo no Mineirão, em BH

Confusão aconteceu após jogo no Mineirão, em BH

Lance

O Atlético-MG se posicionou sobre as brigas, confusões e contratempos provocados pela delegação do Boca Juniors depois do Galo eliminar os argentinos da Libertadores, na noite desta terça-feira (20).

O clube mineiro divulgou uma nota nesta quarta-feira (21), pedindo punição aos argentinos e ainda revelando que o alvinegro pagou a fiança, no valor de R$ 6.000, para liberar os membros do time adversário. O Boca não tinha dinheiro em espécie e contou com a ajuda do Atlético, que já foi reembolsado. Confira os pontos de destaque da nota do Galo:

1 - As cenas de violência amplamente divulgadas pela mídia evidenciam, de forma inequívoca, que toda a confusão foi provocada pelos jogadores e membros do staff do clube argentino, conforme o BO registrado pela polícia e a cronologia dos fatos, que segue abaixo desta nota;

2 - Não se admite que em uma competição de alto nível como a Copa Conmebol Libertadores haja espaço para esse tipo de comportamento e conduta antidesportiva, razão pela qual o Clube Atlético Mineiro exige da Conmebol severa punição aos infratores;

3 - O Clube Atlético Mineiro reitera de forma enfática que não teve qualquer responsabilidade pelos incidentes ocorridos, mas que, ainda assim, pelo princípio da cordialidade que rege o ambiente esportivo, deu todo o apoio possível ao clube argentino, inclusive intercedendo perante as autoridades policiais brasileiras. O presidente do Clube Mineiro, Sérgio Coelho, participou pessoalmente destas negociações e pagou, do próprio bolso, a fiança exigida ao clube argentino, pela Polícia Civil de Minas Gerais, já que a delegação do Boca Juniors não tinha dinheiro em espécie e em moeda nacional (o valor foi, logo em seguida, ressarcido pelo time argentino);

4 - O estádio do Mineirão, que já foi palco de grandes momentos em competições organizadas pela Conmebol, inclusive a decisão da Libertadores de 2013, é absolutamente seguro e adequado para realização de partidas como a ocorrida, e que jamais teve registro de episódios semelhantes aos protagonizados pela equipe argentina;

5 - O Clube Atlético Mineiro espera que episódios como os registrados se tornem, cada vez mais, fatos isolados no mundo do futebol, para que a paz e o respeito sejam os senhores da razão

6 - Por fim, destaca-se que a despeito da péssima forma como a equipe mineira fora recebida no jogo de ida, e da lamentável conduta que teve a delegação do Boca Jrs em nossa casa, na segunda partida, o Atlético Mineiro não deixou de prestar todo o apoio que se fez necessário.

Últimas