Logo R7.com
Logo do PlayPlus
BRASILEIRO 2022
Publicidade

Palmeiras faz segunda viagem seguida sem o avião de Leila Pereira; entenda o motivo

A última vez que a delegação do clube viajou na aeronave foi no fim de outubro, para ir a Curitiba; aviões estão sendo fretados

Futebol|Do R7


Jogadores viajaram com o avião para partida da Libertadores
Jogadores viajaram com o avião para partida da Libertadores

O Palmeiras não usou o avião que pertence à empresa da presidente Leila Pereira para viajar para o Rio de Janeiro, onde enfrenta o Flamengo nesta quarta-feira (8), no Maracanã, pela 33ª rodada do Brasileirão.

Foi a segunda viagem consecutiva da delegação alviverde sem a aeronave da empresária. O avião da Placar Linhas Aéreas, empresa de Leila, passa por uma manutenção programada nos Estados Unidos há alguns dias. Por isso, os atletas e a comissão técnica também não viajaram na aeronave em outra viagem recente ao Rio, na semana passada, para enfrentar o Botafogo no Engenhão.

A última vez em que a delegação palmeirense viajou no avião da Placar, um Embraer E190, da família E2, foi no fim de outubro, quando o time esteve na capital paranaense para enfrentar o Coritiba.

Clique aqui e receba as notícias do R7 Esportes no seu WhatsApp

Publicidade

Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp

Compartilhe esta notícia pelo Telegram

Publicidade

Assine a newsletter R7 em Ponto

Nesse período, sem o avião de Leila, a alternativa do Palmeiras foi voltar a fretar voos de outras companhias aéreas, como era feito antes da compra da aeronave. O clube diz não saber quando o avião estará novamente à disposição do time. A ideia de adquirir uma aeronave própria partiu de Leila Pereira. A iniciativa, segundo ela, visa gerar uma economia para o Palmeiras e ajudar na logística. A presidente afirmou em recente entrevista que o clube havia economizado R$ 3 milhões ao usar a Placar. A promessa é que ela vai oferecer em breve os serviços a outras equipes do futebol brasileiro.

Publicidade

Como contrapartida à economia que pode ser gerada aos cofres do clube, Leila ganha publicidade e dinheiro ao alugar o avião para outros times e para empresas interessadas quando não estiver sendo utilizado. Até por isso a aeronave não tem as cores do Palmeiras. Ela apresenta as cores azul e branca e o nome da companhia aérea.

Conselheiros do Palmeiras sugerem mais um conflito de interesses que envolve Leila, que é patrocinadora, presidente e credora do clube e recentemente ganhou concessão para administrar a Arena Barueri, onde o time joga quando o Allianz Parque não está disponível. Ela, porém, sempre repete que submete todas as suas decisões ao Conselho de Orientação Fiscal (COF) e negou, em polêmica entrevista, a existência desse conflito.

"Onde há conflito de interesse quando eu que ponho o dinheiro?", argumentou ela. "Se eu deixar esse avião parado quando o Palmeiras não joga, sabe o que acontece? Nada. Eu posso pegar o avião e chamar vocês para passear", respondeu, em coletiva com a presença de poucos jornalistas.

"Eu ando em avião particular, um Falcon 8X, e nossos atletas viajavam em avião fretado, que, além de ser caríssimo, você fica à disposição da companhia aérea, e isso me incomodava muito. A presidente viajava a hora que quisesse, e os atletas ficavam nesse problema com a malha aérea. Eu resolvi comprar o avião, com meu dinheiro, para que meus atletas pudessem viajar a hora que quiserem", justificou Leila a respeito da aquisição da aeronave.

Problemas na Colômbia

Leia também

Em agosto, em seu primeiro voo internacional, o avião deixou o Palmeiras na mão, o que obrigou a delegação a atrasar o retorno para o Brasil e a percorrer quase 200 quilômetros de ônibus para pegar um voo comercial em Cali, na Colômbia, e só chegar a São Paulo quase dois dias depois da goleada sobre o Deportivo Pereira.

Os custos provocados pelo imprevisto na Colômbia, como hospedagem, deslocamento e fretamento de uma nova aeronave, também foram arcados por ela, que tem a ideia de fretar o avião para outros clubes — o próprio Palmeiras vai utilizar o serviço como cliente. No momento, contudo, isso não é possível, porque a Placar espera a autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para realizar voos comerciais. Sem essa liberação, a mandatária vai continuar bancando os custos dos deslocamentos.

Conheça o avião de R$ 280 milhões que Leila Pereira comprou para o Palmeiras

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.