Logo R7.com
Logo do PlayPlus
BRASILEIRO 2022
Publicidade

Após traumas, o palmeirense está certo em ter medo do Boca Juniors?

Equipe argentina venceu todas as disputas de mata-mata contra o Alviverde na história da Libertadores

Futebol|Do R7


Lance da partida de ida da semifinal da Libertadores
Lance da partida de ida da semifinal da Libertadores

O Palmeiras segurou um empate por 0 a 0 contra o Boca Juniors na partida de ida da semifinal da Libertadores e nesta quinta-feira (5) recebe o clube argentino no Allianz Parque, em duelo que decide um dos finalistas do torneio.

Após um desempenho fraco na partida no La Bombonera, onde o clube dependeu do goleiro Weverton para não vir em desvantagem para a volta, e ver o "mistão" de Abel Ferreira perder para o Bragantino, no fim de semana, e cair para a quarta colocação no Brasileirão, a partida desta quinta (5) ganha contornos ainda mais importantes para o restante da temporada.

Quando o histórico do confronto é observado, o palmeirense poderia, sim, sentir confiança. Em 26 embates, o Palmeiras venceu oito partidas, o Boca saiu ganhador em quatro, e os times empataram em 14 oportunidades. O levantamento foi feito pelo site Verdazzo.

Mais do que isso, o Boca não é o mesmo do início do século, quando assustava os adversários e tinha nomes como Riquelme, Palermo, Palacios, Tévez e Ibarra no elenco. Além do maestro Carlos Bianchi à beira do campo.

Publicidade

Na análise do atual momento das equipes, a comparação entre elencos e levando em consideração que o Verdão decide a partida ao lado do torcedor, seria motivo para alívio e sentimento de favoritismo. Mas, no imaginário palmeirense, o Boca sempre foi uma pedra no sapato.

Nas três oportunidades em que os clubes se enfrentaram em mata-mata de Libertadores, em 2000, 2001 e 2018, a equipe argentina eliminou o Alviverde.

Publicidade

Relembre as partidas

Eliminações em sequência

Após ser campeão inédito do torneio, em 1999, o Palmeiras defendeu o título no ano seguinte, contra o Boca Juniors.

Na partida de ida da decisão, empate por 2 a 2. No jogo de volta, disputado no estádio do Morumbi, o mesmo resultado. Nas penalidades, os xeneizes soltaram o grito de campeão, após vitória por 4 a 2 na disputa.

Em 2001, o Palmeiras teve a chance de se vingar do Boca, pela semifinal da Liberta. Mas, logo no jogo de ida, vivenciou uma partida com decisões muito controversas do árbitro paraguaio Ubaldo Aquino, que favoreceu o clube argentino em uma série de lances, incluindo um pênalti inexistente marcado quando o Verdão estava na frente do placar, em que o Boca empatou a partida, encerrada em 2 a 2. 

Na volta, jogando no Palestra Itália, novo empate por 2 a 2, mas, nas penalidades, Arce, Basílio e Alex desperdiçaram as suas cobranças, e o Boca avançou para a grande final, tornando-se campeão ao vencer o Cruz Azul na decisão. 

Mas será o Benedetto?

Jogadores do Boca celebram classificação no Allianz Parque
Jogadores do Boca celebram classificação no Allianz Parque

Em 2018, o Palmeiras vivia um hiato de 17 anos sem disputar uma semifinal de Libertadores. O chaveamento colocou o Boca Juniors em seu caminho. 

Naquele mata-mata, o atacante Dario Benedetto ganhou fama de "carrasco" do Palmeiras. A partida de ida da semifinal no La Bombonera caminhava para um empate sem gols, quando, a 15 minutos do fim da partida, o treinador Guillermo Schelotto convocou Benedetto para jogar os minutos finais.

Com um cabeceio e um lindo gol de fora da área, o jogador precisou de apenas dois lances para colocar o Boca em vantagem e mudar a história da partida.

Na volta, no Brasil, o Palmeiras vencia a partida por 2 a 1, de virada. E, mais uma vez, Benedetto, vindo do banco, marcou, para encerrar de vez o sonho palestrino.

Com Bombonera 'pegando fogo', Boca empata com o Palmeiras pela semi da Libertadores: veja imagens

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.