Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

O que esperar da primeira convocação de Fernando Diniz na seleção brasileira?

Técnico, que assumiu interinamente enquanto a CBF espera por Ancelotti, comandará o Brasil nos duelos contra Bolívia e Peru

Futebol|Do R7

Brasil inicia trajetória para o Mundial contra a Bolívia
Brasil inicia trajetória para o Mundial contra a Bolívia Brasil inicia trajetória para o Mundial contra a Bolívia

O técnico Fernando Diniz fará nesta sexta-feira (18) a primeira convocação como técnico da seleção brasileira.

O treinador, que divide os trabalhos no comando da amarelinha com o dia a dia no Fluminense, vai anunciar os nomes que representarão o Brasil nos dois primeiros compromissos pelas eliminatórias para a Copa do Mundo diretamente da sede da CBF, no Rio de Janeiro, a partir das 14h (de Brasília). 

· Compartilhe esta notícia no WhatsApp

· Compartilhe esta notícia no Telegram

Publicidade

O Brasil estreia em casa contra a Bolívia, no Mangueirão, em Belém do Pará, no dia 8 de setembro. Depois, enfrenta o Peru, no dia 12, em Lima. A seleção vem pressionada, já que o retrospecto dos três amistosos realizados neste ano, todos sob o comando do interino Ramon Menezes, teve apenas uma vitória, contra Guiné, e duas derrotas, para Marrocos e Senegal.

Entre a expectativa por novidades e nomes que não podem ficar ausentes, o que podemos esperar da primeira lista de Diniz?

Publicidade

Neymar será chamado?

Neymar com a camisa do Al-Hilal, seu novo clube
Neymar com a camisa do Al-Hilal, seu novo clube Neymar com a camisa do Al-Hilal, seu novo clube

Marquinhos, Bruno Guimarães, Vinícius Jr. e Neymar são nomes praticamente certos, considerados pilares do trabalho que Diniz pretende desenvolver à frente da seleção. Apesar disso, há uma preocupação em relação ao atual camisa 10 da amarelinha, que deixou o PSG para se juntar ao Al-Hilal, da estrelada liga saudita.

O craque é a grande referência técnica da equipe desde a estreia, em 2010, e a ideia de Diniz é que o jogador seja uma das lideranças para a nova geração, assim como o zagueiro Marquinhos. No entanto, a ida para uma liga de menor competitividade, somada à pouca minutagem do jogador nos últimos anos, põe em dúvida se em 2026 Neymar chegará como protagonista da equipe que começará a se formar nesta sexta-feira. 

Publicidade

Olhar atento ao futebol brasileiro

Em ótima fase, Adryelson é um dos mais cotados
Em ótima fase, Adryelson é um dos mais cotados Em ótima fase, Adryelson é um dos mais cotados (Vitor_Silva)

Como técnico do Fluminense, é natural que Diniz tenha alguns nomes do elenco tricolor em mente para a convocação. O volante André, que já foi convocado por Ramon Menezes, tem grandes chances de estar nessa primeira lista.

Já o zagueiro Nino e o meia Paulo Henrique Ganso, apesar do bom nível que apresentam, podem ficar fora por causa da grande concorrência em seus respectivos setores, mas são nomes que agradam, e muito, ao treinador. Não se surpreenda também se o lateral Samuel Xavier ganhar uma chance, por conta da escassez de opções no setor. 

Jogadores de outros clubes brasileiros, além do Flu, devem entrar na lista inicial do técnico, como Victor Roque, do Athletico-PR, e Lucas Perri e Adryelson, do Botafogo. Já Pedro, Ayrton Lucas e Gabigol, do Flamengo, podem até ficar fora por causa do momento delicado do Rubro-Negro, mas são atletas que agradam a Diniz. 

Início da renovação

Diniz tem em mãos a chance de inaugurar a tão esperada renovação de ciclos da Canarinha. Embora o treinador Ramon Menezes, em caráter de substituto, já tenha feito duas convocações, o início do ciclo do Mundial de 2026 começa no próximo dia 8, e o comandante do Fluminense tem a dura responsabilidade de trazer o torcedor de volta para a seleção.

Na última lista convocatória, 14 dos 23 jogadores disputaram a Copa do Mundo, em que o Brasil caiu precocemente nas quartas de final, para a Croácia.

Nomes como Danilo, lateral da Juventus, e Alex Telles, lateral do Al-Nassr, que não geram tanta empolgação no torcedor, foram chamados. A difícil renovação de jogadores neste setor do campo é uma dor de cabeça para os treinadores que passaram pela CBF.

No último ciclo, Tite testou uma série de laterais, que não se firmaram na posição, como Emerson Royal, Renan Lodi e Fagner. O titular da esquerda, Alex Sandro, sempre conviveu com as críticas.

O único que mantinha status de unanimidade, Guilherme Arana, do Atlético-MG, teve o azar de sofrer uma grave lesão meses antes da Copa e ficou fora do grupo.

A lateral do campo é apenas um exemplo de como o jejum de — no mínimo — 24 anos sem ser campeão do mundo afeta o moral do torcedor brasileiro, que, ao longo da história, se acostumou a ver o seu país natal como uma das maiores seleções do globo.

A passagem de Diniz, embora tenha validade de apenas um ano, será importante para pavimentar a rota para o italiano Carlo Ancelotti, que deve assumir o cargo no segundo semestre de 2024.

Ancelotti, Felipão, Diniz e outros: veja os técnicos que são 'paizões' no mundo da bola

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.