Futebol Mbappé, Zidane e Platini estão na seleção francesa de todos os tempos

Mbappé, Zidane e Platini estão na seleção francesa de todos os tempos

Jornal francês realizou eleição entre internautas e o time escolhido é um resumo da evolução de um futebol que mudou junto com a sociedade; veja

  • Futebol | Eugenio Goussinsky, do R7

Mbappé representa geração de 2018

Mbappé representa geração de 2018

Carl Recine/Reuters - 15.07.2018

O futebol sempre foi um capítulo à parte na França. Caminhava paralelamente, muitas vezes como coadjuvante, enquanto o país conhecia a Escola dos Annales, nos anos 1930, reformulando o conceito de história.

Leia mais - Torcedores sofrem sem futebol: 'Sinto falta até de xingar o juiz'

Ou quando, nos anos 60, se deparou com a Nouvelle Vague que revolucionou o cinema, colocando a temática do amor livre de forma mais direta e contestadora.

Havia a preocupação com as guerras (Indochina e Argélia), com as rebeliões contra o sistema, como a dos estudantes em 1968. Enquanto isso, alguns times, como o Saint-Étienne, cresciam. Outros surgiam, como o PSG em 1970.

E quando o país estava envolto na política "conservadora de transformação", do presidente Valéry Giscard d'Estaing, o futebol também foi se transformando enquanto os trabalhadores tinham suas rendas aumentadas.

Novos craques

Esta profissionalização, ainda que tímida, foi acrescida da presença no futebol de descendentes de africanos e originários de ex-colônias ou regiões francesas. Jean Tigana (Mali) e Marius Tresor (Guadalupe) foram dois deles.

E o futebol francês, representado pela seleção do país, foi ganhando mais força e, revelando jogadores como Alain Giresse (vindo do Bordeaux) e Michel Platini (vindo do Saint-Étienne), sagrou-se campeão europeu em 1984 tendo, dois anos depois, ficado na terceira colocação na Copa do Mundo.

Toda essa evolução, que já teve início nos anos 50 (com nomes como Roger Piantoni, Raymond Kopa e Just Fontaine) culminou com o titulo mundial de 1998, já com a presença de descendentes de africanos muito mais intensa.

Desde então, o futebol francês só evoluiu, tecnica e taticamente, a ponto de, com um time muito forte fisicamente e dotado de uma moderna movimentação, conquistar o bicampeonato mundial em 2018.

Por mais que o mundo pouco falasse do futebol francês, a população em si tinha orgulho do Esporte. Vários livros foram lançados contando a história dos Bleus. A imprensa local também tinha relevância no cenário internacional. Foi em uma votação do L'Équipe que Pelé ganhou o título de "Atleta do Século".

E não seria agora, em um momento no qual o futebol francês já compete economicamente com outras ligas, que todos os estudos e estatísticas seriam deixados de lado. Pelo contrário, as pesquisas prosseguem, ainda mais estimuladas. A mais recente, reuniu toda a história do futebol francês em um time imaginário.

Veja também: Astros do futebol ajudam no combate ao coronavírus

Uma votação entre os leitores, do L'Équipe, claro, escolheu nesta semana a equipe francesa de todos os tempos. E nela foram escalados basicamente campeões mundiais de 1998, acrescidos de um remanescente do título europeu e outro do Mundial de 2018. E o time escolhido foi o seguinte:

Fabien Barthez; Lilian Thuram. Laurent Blanc; Marcel Desailly e Bixente Lizarazu; Didier Deschamps, Patrick Vieira, Zinedine Zidane e Michel Platini; Kylian Mbappé e Thierry Henry.

Alain Giresse, Jean Tigana, Marius Tresor, Just Fontaine e Raymond Kopa poderiam estar entre os onze. Didier Deschamps, Aimée Jacquet ou Michel Hidalgo ficariam bem como técnicos deste time.

A própria história francesa revolucionou o futebol no país. Uma seleção só é forte quando se torna o espelho de sua sociedade. O novo futebol francês se impôs e ganhou espaço em meio a uma nova sociedade. Multicultural.

Cristiano Ronaldo é 1° do futebol em seleto 'time' de atletas bilionários

Últimas