Logo R7.com
Logo do PlayPlus
BRASILEIRO 2022
Publicidade

Justiça do Paraná retoma audiências do Caso Daniel nesta segunda-feira

Segunda fase de audiências, que deve durar ao menos até sexta-feira, terá depoimento de Edison Brittes, assassino confesso, e testemunhas de defesa

Futebol|Adalberto Leister Filho, do R7

Segunda fase de audiências do Caso Daniel tem início hoje, no Paraná
Segunda fase de audiências do Caso Daniel tem início hoje, no Paraná Segunda fase de audiências do Caso Daniel tem início hoje, no Paraná

O Caso Daniel, crime que chocou o Brasil em outubro de 2018, inicia mais um capítulo nesta segunda-feira (1º), quando começa a segunda fase de audiência do processo que investiga o assassinato do ex-jogador do São Paulo, na época emprestado ao São Bento, de Sorocaba. 

Leia também

Nesta fase haverá o depoimento das testemunhas de defesa. Por conta disso, deve ser a primeira vez que a família Brittes irá responder questões da Justiça. Edison Brittes Júnior, conhecido como Juninho Riqueza, que confessou ter matado Daniel, fará um dos depoimentos.

Veja mais: Traição, sexo e assassinato: 2 meses depois, veja como está o Caso Daniel

Além dele, são acusados no crime sua esposa, Cristiana Brittes, e sua filha, Allana Brittes. Também respondem pelo crime Ygor King, Eduardo Henrique da Silva e David Willian da Silva. 

Publicidade

As audiências devem se estender pelo menos até sexta-feira (5) por conta do grande número de depoentes. 

Após essa fase de depoimentos, a juíza Luciani Regina Martins de Paula, da 1ª Vara Criminal de São José dos Pinhais (região metropolitana de Curitiba-PR) irá decidir se os réus vão a júri popular. 

Publicidade

Juninho Riqueza alegou ter cometido o crime para defender a mulher, que teria sido vítima de tentativa de estupro. Segundo a investigação policial, tal fato nunca ocorreu,

Após espancar o jogador, que estava com nível alcóolico bastante elevado, o empresário levou Daniel até um matagal, onde tentou degolá-lo e decepou seu pênis. Segundo denúncia do MP (Ministério Público) do Paraná, Brittes Júnior teria sido auxiliado por Ygor, David e Eduardo durante o espancamento. Os quatro foram denunciados por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, meio cruel e impossibilidade de defesa da vítima) ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor. 

Publicidade

COSME RÍMOLI: "Eu quero olhar nos olhos de quem matou meu filho", diz mãe de Daniel

Edison, acompanhado de Cristiana e Allana, tentaram coagir testemunhas ao combinar uma versão para o desaparecimento de Daniel em um encontro marcado em um shopping no dia seguinte ao crime. 

Relembre fatos sobre o assassinato do jogador Daniel em 20 imagens

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.