Futebol Governos de cidades cotadas para jogos divergem sobre Copa América

Governos de cidades cotadas para jogos divergem sobre Copa América

Amazonas, Mato Grosso e São Paulo não se opuseram a realização das partidas da principal competições de seleções sul-americanas

  • Futebol | Do R7

Logo que o Brasil foi anunciado pela Conmebol como sede da Copa América, governadores de cidades cotadas para receber a competição tomaram nesta segunda-feira (31) decisões divergentes sobre a realização dos jogos. Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul estão entre os que não querem o torneio em seus estádio. Em contrapartida, Amazonas, Mato Grosso e São Paulo não se opuseram às partidas.

A Copa América seria realizada na Argentina e na Colômbia, entre os dias 13 de junho e 10 de junho. A Colômbia, em meio a protestos sociais, disse na semana passada não ter garantias de receber o principal evento de seleções. Na noite do último domingo, a Argentina também desistiu da organização devido à pandemia do novo coronavírus. Assim, em contado com a CBF e o aval do governo federal, o Brasil virou sede ainda que não se tivesse definidos os locais dos jogos.

Arena Pernambuco não deverá receber jogos da Copa América

Arena Pernambuco não deverá receber jogos da Copa América

Marlon Costa/Divulgação/CBF

Contra os jogos em seus estádios

Pernambuco foi o primeiro Estado a recusar jogos da Copa América. O governador, Paulo Câmara, disse em nota que o “atual estado epidemiológico não permite a realização do evento do porte da Copa América.” A Arena Pernambuco, construída em São Lourenço da Mata para a Copa do Mundo, era um dos prováveis destinos.

A partir daí, o governador Rui Costa, da Bahia, foi às redes sociais para dizer que não aceitará jogos com a presença de público — o que seria uma exigência da Conmebol. A Arena Fonte Nova, que também recebeu jogos do Mundial e da edição da Copa América de 2019, estaria nos planos dos organizadores.

No Rio Grande do Norte, a governadora Fátima Bezerra disse que o Estado não recebeu nenhum convite oficial para receber os jogos. Mesmo assim, apesar da Arena Castelão, reformada para a Copa 2014, não se tem hoje “níveis de segurança epidemiológica para a realização do evento”.

Em Minas Gerais, a assessoria do governador Romeu Zema informou que não considera prudente, “diante da possibilidade de uma terceira onda”, a realização do evento no Mineirão.

O Rio Grande do Sul também descartou receber partidas da Copa América. O governador, Eduardo Leite, divulgou nota afirmando que seria “inoportuno realizar a competição”.

A favor de jogos em seus estádios

O governo do Amazonas divulgou nota por meio da Fundação Amazonas de Alto Rendimento que discute protocolos sanitários para que possa receber jogos. A falta de partidas regulares na Arena da Amazônia é uma constante preocupação na administração local.

O Mato Grosso, que recebeu jogos da Copa 2014, se manifestou positivamente para a Copa América. O governador Mauro Mendes entrou em contato com a CBF colocando a Arena Pantanal à disposição para receber as partidas.

Em São Paulo, a Secretaria Estadual do Esporte informou, em nota oficial, que o governo de João Doria “não fará objeção caso a CBF defina São Paulo como um dos locais de jogos da Copa América, desde que protocolos do Plano São Paulo sejam obedecidos.”

'Se for realizado'

Pela manhã, coube à Conmebol anunciar o Brasil como sede da competição de seleções. Segundo a entidade sul-americana, os papéis do governo federal e a CBF foram fundamentais na escolha. No início da noite, o ministro-chefe da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, colocou a edição brasileira em suspenso.

“É importante destacar que esse evento, se for realizado, não terá público”, disse. “Não há documentos assinados, apenas tratativas.”

Além das cidades que se manifestaram contra e a favor, Brasília e Rio de Janeiro também são cotadas para receber os jogos. Os estádios Mané Garrincha e Maracanã, que inclusive recebeu a final de 2019, devem fazer parte do plano para receber as partidas.

"O Maracanã sempre será a casa da seleção, mas o STF [Supremo Tribunal Federal] disse que tem ter esse acordo. Amanhã [nesta terça-feira] deve haver uma decisão", disse o governador do Rio, Claudio Castro.

Acusação de assédio e festinha são as novas polêmicas de Neymar

Últimas