Copa do Mundo Brasil repete formação ofensiva para enfrentar Croácia e voltar à semifinal depois de oito anos

Brasil repete formação ofensiva para enfrentar Croácia e voltar à semifinal depois de oito anos

Partida das quartas da Copa do Mundo acontece nesta sexta-feira, às 12h (de Brasília), no estádio Cidade da Educação

  • Copa do Mundo | André Avelar e Cosme Rímoli, do R7, em Doha, no Catar

Seleção brasileira venceu a croata nas duas vezes em que a enfrentou em Copas do Mundo

Seleção brasileira venceu a croata nas duas vezes em que a enfrentou em Copas do Mundo

LUCAS FIGUEIREDO/DIVULGAÇÃO/CBF - 8.12.2022

O Brasil colocará de novo a sua alegria em campo para buscar uma vaga na semifinal da Copa do Mundo depois de oito anos. Essa alegria, traduzida nas coreografias após os gols, passa pela escalação de um time ofensivo, desta vez para enfrentar a Croácia, nesta sexta-feira (9), às 12h (de Brasília). A partida será no estádio Cidade da Educação, em Doha, no Catar.

As equipes já se enfrentaram em outras duas oportunidades em Mundiais, com duas vitórias do time que ainda busca o hexacampeonato: Alemanha 2006 (1 a 0) e Brasil 2014 (3 a 1).

Mas enquanto o Brasil venceu a Coreia do Sul de goleada, a Croácia passou sufoco na disputa de pênaltis contra o Japão. A classificação croata, inclusive, veio graças à inabilidade dos batedores japoneses, que desperdiçaram três oportunidades. Há quatro anos, o time da icônica camisa quadriculada passou nas penalidades nas oitavas e nas quartas e na prorrogação semifinal.

“Há, sim, uma qualidade técnica individual e coletiva, há uma resiliência, persistência, e, para chegar ao alto nível, isso é preciso. Meu foco é repetir o padrão e fazer um jogo de excelência da seleção brasileira. Aí, quem for melhor passará”, analisou Tite na entrevista oficial de véspera de jogo.

No pouco período de treinamento liberado para a imprensa, foi possível ver que o lateral-esquerdo Alex Sandro está recuperado de uma chata lesão muscular na região esquerda dos quadris. Ainda assim, como o próprio Tite havia dito, falta ao jogador testes de intensidade física e ritmo de jogo. Por isso, a tendência é seguir com o zagueiro Éder Militão na lateral-direita e Danilo improvisado na esquerda. 

“Ele [Alex Sandro] vai treinar à tarde [quinta-feira] para ter disponibilidade. Mas a tendência é de não participação. São lesões diferentes. Porque não há trabalho ainda forte. Tenho que ver departamento médico e físico. Vai depender de hoje à tarde”, disse Tite.

Meio-campo ofensivo

Certo é que o meio-campo voltará a atuar em sua maneira mais leve de jogar. Com a goleada sobre a Coreia, os atletas levaram confiança à comissão técnica no sistema com apenas um volante. Ainda que a Croácia tenha um meio-campo infinitamente mais técnico, com o duas vezes melhor do mundo Luka Modric, por exemplo, Casemiro ganha a proteção de Militão e conta com a recomposição de Vini Jr. e Raphinha. Fred continuará no banco de reservas.

Caso realmente mantenha a equipe, essa será a primeira vez que Tite repetirá a escalação nas quatro partidas que disputou até aqui. A tendência então é que mande a campo Alisson; Éder Militão, Thiago Silva, Marquinhos, Danilo; Fred, Lucas Paquetá, Neymar; Raphinha, Richarlison e Vini Jr.

A alegria, vista nas danças após os gols da última partida, deve continuar. O técnico Tite não gostou que nem todo mundo, principalmente os estrangeiros, tenha gostado do modo de os brasileiros comemorarem um gol. Ainda assim, garantiu que a seleção continuará com o seu estilo. Dependerá, obviamente, apenas dos gols.

“Não é minha seleção. É a seleção brasileira, da qual tenho a responsabilidade de ser o técnico. Eu lastimo muito, mas não vou fazer comentários para quem não conhece a história e cultura do Brasil, o jeito de ser. Eu quero ter a conexão com o meu trabalho, com as pessoas que se identificam comigo, com o meu trabalho, que sabem da minha história”, disse.

O técnico croata, Zlatko Dalić, não se esquivou da polêmica e disse que preferia que os seus jogadores não comemorassem gols da mesma forma, em respeito ao adversário.

“Eles têm que comemorar o gol do jeito que eles sabem. São festivos, alegres, demonstram a sua tradição. Se isso é respeitoso ou desrespeitoso com o adversário, não posso julgar. Não gostaria que os meus jogadores comemorassem dessa maneira, mas é uma diferença de cultura”, disse o treinador.

De volta às quartas

A Canarinho perdeu para a Bélgica nessa mesma altura do Mundial em 2018. O sonho do hexa foi adiado em quatro anos nos gols de Fernandinho (contra) e De Bruyne — Renato Augusto ainda diminuiu e viu outra bola passar rente à trave, e Gabriel Jesus reclamou de um pênalti, mas não foi o suficiente para avançar. Ainda quatro anos antes, diante da própria torcida, a seleção sofreu a maior derrota da sua história, com os 7 a 1 diante da Alemanha. Pior ainda, na disputa do terceiro lugar, perdeu para a Holanda.

Para lembrar de uma campanha que terminou com título, no pentacampeonato, o Brasil venceu a Inglaterra nas quartas e a Turquia na fase seguinte. Na final, contra a Alemanha, Ronaldo Fenômeno marcou duas vezes e comandou o 2 a 0 para colocar a sexta estrela na camisa.

O vencedor do duelo entre Brasil e Croácia enfrentará quem passar de Argentina e Holanda. Os adversários jogam também nesta sexta, mas às 16h (de Brasília). A semifinal dessa chave acontecerá na terça, também às 16h, outra vez no Lusail.

Dança, recado, zoeira: como as seleções comemoraram as vagas nas quartas

Últimas