Seleção brasileira

Futebol Com Vini Jr. em alta, Brasil volta a ter protagonista em clube europeu

Com Vini Jr. em alta, Brasil volta a ter protagonista em clube europeu

Autor do gol que deu título da Champions ao Real se apresenta à seleção de olho nos passos de Ronaldo, Ronaldinho e Kaká

  • Futebol | André Avelar, do R7

“Calma.” Esse foi o pedido do técnico Tite para a torcida brasileira com relação a Vini Jr., especialmente para o amistoso do Brasil contra a Coreia do Sul nesta quinta-feira (2), às 8h (de Brasília), em Seul. O gol que deu o título da Champions League ao Real Madrid colocou o atacante como o único protagonista do país em um grande clube europeu.

Nem Neymar (no Barcelona-ESP e no Paris Saint-Germain-FRA) — que inclusive é dúvida para a partida por causa de um pisão no pé direito — nem Philippe Coutinho (Liverpool-ING, Barcelona-ESP, Bayern de Munique-ALE e Aston Villa-ING) ou Gabriel Jesus (Manchester City-ING) têm o time em que jogam ao seu redor. Todos são ótimos coadjuvantes diante de outras estrelas.

Apesar do status no Real Madrid, Vini Jr. pode começar no banco da seleção

Apesar do status no Real Madrid, Vini Jr. pode começar no banco da seleção

Lucas Figueiredo/Divulgação/CBF - 1.6.2022

Vini Jr., inclusive, tem o atual status justamente por ter marcado o gol que deu o 14º título da Champions ao Real no último jogo da temporada, no último sábado (28). Ao longo de todo o verão europeu, o jovem de 21 anos estará à frente do atacante francês Karim Benzema em relevância para a equipe e até em apelo com os torcedores.

Antes da partida contra a Coreia, Tite respondeu sobre o protagonismo de Vini Jr. e ainda estendeu a ideia para Raphinha (Leeds-ING) e até mesmo Neymar. Sobretudo nos tempos de Barcelona, o camisa 10 da seleção brasileira teve momentos de maior brilhantismo, mas, em geral, sempre esteve à sombra de Lionel Messi. No Paris, não foi Messi, mas Kylian Mbappé (PSG) quem assumiu rapidamente esse lugar.

“Dividem-se os protagonismos, contribuem com discernimento, sensatez. É bom fomentar esse grau de confiança, sim. (Aos poucos vai) surgindo Martinelli, sim. Mas é preciso olhar com mais discernimento essa situação toda para não gerar expectativa. Não é assim”, disse Tite, na entrevista oficial da véspera da partida.

A mudança de patamar para o jogador revelado pelo Flamengo já era esperada ainda no final de 2021, como adiantou o R7 na época. A quebra do paradigma vem depois do futebol europeu se curvar ao talento de Ronaldo (Barcelona-ESP, Inter de Milão-ITA, Real Madrid-ESP e Milan-ITA), Ronaldinho Gaúcho (Barcelona-ESP e Milan-ITA) e Kaká (Milan-ITA), o último desses todos a conquistar o título de Melhor do Mundo, em 2007. O menino de São Gonçalo está de olho nesse caminho percorrido pelos ex-jogadores.

Apesar da moral com que desembarcou na Ásia, Vini Jr. pode nem ser titular no time de Tite. O treinador entende que o atacante disputa posição com Neymar, pelo lado esquerdo do ataque. Acontece que Neymar deixou a última atividade mais cedo, por causa de um pisão no pé direito, o mesmo das lesões de 2018 e 2019. Mais tarde, nas redes sociais, o craque postou uma foto do próprio pé.

A tendência é que a seleção brasileira enfrente a sul-coreana com: Weverton, Daniel Alves, Marquinhos, Thiago Silva e Alex Sandro; Casemiro, Fred e Lucas Paquetá; Neymar (ou Vini Jr.); Raphinha e Richarlison. Na segunda-feira (6), os comandos de Tite enfrentarão a seleção japonesa, em Tóquio, no último compromisso desta janela de jogos em data-Fifa.

Ucrânia bate a Escócia e ainda tem chance de ir à Copa do Mundo

Últimas