Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Abel cita Fernando Lázaro e culpa imprensa por alta rotatividade de técnicos no país

Treinador disse que jornalistas pressionam clubes para demissões; o português está há quase três anos no comando do Palmeiras

Futebol|

Abel está há mais de dois anos no comando do Palmeiras
Abel está há mais de dois anos no comando do Palmeiras Abel está há mais de dois anos no comando do Palmeiras

A troca intensa de técnicos, algo rotineiro no futebol brasileiro, é culpa, em parte, da imprensa, na avaliação de Abel Ferreira. O comandante do Palmeiras afirmou que, no geral, os treinadores não têm tempo nem paz para trabalhar porque os jornalistas "metem pressão" nos dirigentes, o que resulta em um ciclo interminável de demissões.

"Alguém perguntou ao [Fernando] Lázaro se tinha tempo para treinar, para recuperar os jogadores?", questionou o técnico do Palmeiras depois da vitória de sua equipe sobre o Cerro Porteño, por 2 a 1, no Morumbi.

As críticas do português para explicar a alta rotatividade de técnicos no país foram feitas no dia em que o Corinthians e o São Paulo confirmaram novos comandantes em substituição aos antigos. Rogério Ceni foi demitido na quarta e deu lugar a Dorival Júnior. Já Cuca foi o escolhido para a vaga de Fernando Lázaro, que voltou a ser auxiliar.

"Os técnicos são bons, mas são despedidos. Quando alguém é despedido, ninguém quer saber. Vocês [jornalistas] metem pressão na diretoria. Quem despede os treinadores primeiro são vocês", disparou Abel, o treinador mais longevo da Série A. São dois anos e cinco meses à frente do Palmeiras, pelo qual já ganhou oito taças.

Publicidade

Com Ceni, Lázaro e os portugueses Vítor Pereira e Antônio Oliveira, dispensados pelo Flamengo e pelo Coritiba, respectivamente, o Brasileirão bateu o recorde de troca de treinadores após a primeira rodada. "Nem o Guardiola quer vir ao Brasil", brincou, em tom crítico, o técnico palmeirense.

Ele expôs seu pensamento crítico quanto à dança das cadeiras no momento em que contestava outros problemas do futebol brasileiro: o calendário desgastante de jogos, com pouco tempo de descanso, o que provoca lesões em excesso, e o baixo nível técnico das partidas.

Publicidade

"Querem jogos intensos, qualidade jogo, que as equipes façam sete gols. O que peço é pelo menos três dias de descanso completo, mas não é assim que funciona aqui", constatou o português. "A gente não descansa. Temos sete jogadores lesionados. A gente vai, joga, dá o nosso melhor. Um jogo de cada vez."

Leia também

É essa maratona que atrapalha o desempenho do Palmeiras, avaliou Abel. Seu time fez um primeiro tempo ruim, mas deslanchou no segundo e conseguiu a virada em cima do Cerro Porteño, que lhe garantiu a primeira vitória na Libertadores. "Vitória justa e difícil", opinou ele.

Publicidade

"As equipes, seja em que competição for, dão a vida contra o Palmeiras. E nós temos que estar preparados para isso. Para igualar a intensidade. Foi isso que aconteceu hoje", alertou o treinador.

Troca de técnicos e elenco envelhecido: os 7 erros de Duilio no Corinthians

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.