Fora de Jogo Rússia remove nome de bicampeã olímpica de estádio por ela não apoiar a guerra na Ucrânia

Rússia remove nome de bicampeã olímpica de estádio por ela não apoiar a guerra na Ucrânia

O espaço vai voltar à nomenclatura original, Trud (trabalho, em russo); a polêmica começou em setembro

Agência EFE

Resumindo a Notícia

  • As autoridades russas retiraram o nome de Yelena Isinbayeva de um estádio olímpico.
  • A bicampeã olímpica de salto com vara se pronunciou a favor da paz na Ucrânia.
  • O estádio vai voltar ao seu nome original, Trud (trabalho).
  • A polêmica surgiu quando Isinbayeva anunciou que retomaria seu trabalho no COI.
Rússia removeu nome de Isinbayeva de estádio

Rússia removeu nome de Isinbayeva de estádio

Reprodução/Instagram @isinbaevayelena

As autoridades da república russa do Daguestão retiraram, nesta quarta-feira (23), o nome de Yelena Isinbayeva de um estádio de atletismo depois que a bicampeã olímpica de salto com vara se pronunciou a favor da paz na Ucrânia.

Nas imagens divulgadas pela agência de notícias russa RIA Novosti, é possível ver um funcionário retirar as letras da fachada do prédio, na capital do Daguestão, Makhachkala.

Isinbayeva, de 41 anos, nasceu na cidade de Volgogrado, filha de mãe russa mas de pai originário do Daguestão, região banhada pelo mar Cáspio.

O governo do Daguestão tomou a decisão na última segunda-feira (21), depois que o chefe da república, Sergey Melikov, propôs devolver ao estádio o seu nome original, Trud (trabalho).

"E, em homenagem a Isinbayeva, que nomeiem um pavilhão na Espanha", disse o general há algumas semanas em seu canal no Telegram, referindo-se ao atual país de residência da bicampeã olímpica.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp
• Compartilhe esta notícia no Telegram

A polêmica surgiu quando Isinbayeva anunciou nas redes sociais que em setembro retomaria seu trabalho no COI (Comitê Olímpico Internacional).

Ela, que foi representante eleitoral do presidente da Rússia, Vladimir Putin, garantiu que o posto de major que recebeu em 2015 como membro do CSKA, clube do Exército russo, é "puramente formal" e lembrou que "nunca" serviu nas Forças Armadas, não foi deputada nem fez parte do partido no poder.

Pelo fato de a atleta pertencer ao CSKA, o COI suspendeu provisoriamente sua participação nas atividades da entidade, embora seu comitê de ética tenha concluído que a russa poderia continuar suas atividades, já que não tinha contrato com o Exército nem apoiava os militares russos na campanha na Ucrânia.

"Sou uma pessoa de paz. Sempre fui e sempre serei. Sempre acreditei e acreditarei no melhor de cada pessoa", disse Isinbayeva.

Essas declarações lhe renderam fortes críticas na Rússia, onde é acusada de vender sua pátria por um cargo no COI e por seus imóveis na Espanha.

De fato, a Frente Popular, plataforma eleitoral de Putin, expulsou a atleta durante uma votação extraordinária, supostamente por não ter participado dos trabalhos da organização.

As críticas mais duras vieram do ministro dos Esportes, Oleg Matitsin, que considerou "inaceitável" desprezar tanto uma patente militar quanto "os acontecimentos em curso em seu país natal".

No entanto, membros do governo e o porta-voz presidencial, Dmitry Peskov, saíram em sua defesa e apelaram aos russos para que não se precipitassem em seu julgamento e para que minimizassem o fato de a atleta residir na Espanha, onde teria mais três propriedades imobiliárias.

"Ela não condenou nada nem criticou ninguém. Em sua honra, quantas vezes nosso hino soou e nossa bandeira foi hasteada. Isso deve ser lembrado", afirmou Peskov.

Daqui a um ano começam as Olimpíadas; veja sete coisas que só acontecerão em Paris 2024

Últimas