Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esporte - Notícias sobre Futebol, Vôlei, Fórmula 1 e mais
Publicidade

Robinho faz curso de finanças no presídio de Tremembé, onde cumpre pena por estupro

Ex-jogador aguarda decisão da justiça sobre pedido da defesa para que crime de estupro coletivo fosse considerado comum e não hediondo

Fora de Jogo|Do R7

Robinho que está peso em Tremembé (SP)
Robinho está peso em Tremembé (SP) desde 21 de março Robinho que está peso em Tremembé (SP) (Reprodução)

A SAP (Secretaria de Administração Penitenciária) informou, nesta terça-feira (21), que o Robinho decidiu frequentar o curso de finanças do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) na Penitenciária II de Tremembé, onde cumpre pena desde o dia 21 de março, por participar de um estupro coletivo na Itália, em 2013.

Ele também participa do PET (Programa de Educação para o Trabalho e Cidadania), oferecido pela Funap (Fundação Prof. Dr. Manoel Pedro Pimentel). A participação de presos em cursos ajuda na diminuição de penas, conforme previsto em lei federal. A cada 12 horas praticadas de aula, o condenado pode abater um dia de pena.

O ex-jogador foi condenado em última instância na Itália a nove anos de reclusão, por participar do estupro coletivo de uma jovem albanesa, em uma boate de Milão, em 2013, junto de outros cinco homens.

Como a Constituição daqui não permite a extradição de cidadãos brasileiros para cumprir penas no exterior, a Justiça italiana pediu o cumprimento de pena aqui e o STJ (Superior Tribunal de Justiça) acatou a solicitação.

Publicidade

Robinho aguarda decisão da Justiça

No último dia 14, a defesa do ex-jogador entrou com um pedido no TJ (Tribunal de Justiça) para que a Justiça considere o crime como “comum” e não como “hediondo”.

Publicidade

Nas palavras do advogado, ele quer que “a pena seja cumprida exatamente como ela veio da Itália”. Desse modo, o tempo de pena a ser pago continua o mesmo, mas é possível reduzir o cumprimento da pena em regime fechado.

Na última quinta-feira, o Ministério Público de São Paulo se manifestou contrário ao pedido da defesa. A Justiça ainda não decidiu sobre a requisição do ex-atleta.

Publicidade



Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.